This content is not available in your region

Estudantes de Lisboa manifestam-se em defesa do Ambiente e do futuro

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com LUSA
Alunos da António Arroio, em Lisboa, protestam contra os combustíveis fósseis
Alunos da António Arroio, em Lisboa, protestam contra os combustíveis fósseis   -   Direitos de autor  RODRIGO ANTUNES/ 2022 LUSA - LUSA, S.A.   -  

São os adultos de amanhã e querem o fim da utilização de combustíveis fósseis no mundo e, em Portugal, até 2030.

Mais de uma centena de estudantes de escolas de Lisboa, entre elas o Liceu Camões, várias universidades e a escola artística António Arroio, em Lisboa, manifestam-se desde segunda-feira. Um protesto que levou mesmo ao encerramento deste último estabelecimento de ensino. 

Os alunos consideram que não estão a ser ouvidos, que as suas reivindicações não estão a ser escutadas, como referia a porta-voz deste movimento, Alice Gato. A jovem explicava que o Primeiro-ministro, "interrogado sobre a COP27", falou em "neutralidade carbónica até 2045" mas, na realidade, "estamos fartos de saber, (...) estamos a fazer manifestações desde 2019, que aneutralidade carbónicadeve ser atingida em 2030, é o que nos diz a ciência", Alice acrescentava, e sobre a questão do encerramento da escola, que não vale a pena terem "aulas para um futuro que não vai existir se estas reivindicações não forem atendidas"

Na sua intervenção na COP27, na última terça-feira, António Costa admitia que é obrigatório acelerar a transição energética. Portugal, referia, investe há 15 anos nas energias renováveis e depende, por isso, menos e está mais seguro do ponto de vista energético. O chefe do executivo português considerava as metas do país bastante ambiciosas, o objetivo é antecipá-las de 2050 para 2045.

Editor de vídeo • Nara Madeira