This content is not available in your region

Viajar no tempo: O negócio dos satélites

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Viajar no tempo: O negócio dos satélites

<p>Viemos até Canary Wharf, um dos principais pontos financeiros de Londres, à descoberta de oportunidades para as <span class="caps">PME</span> no domínio da navegação por satélite. </p> <p>Kathrin Sturm, da <span class="caps">ESNC</span>, uma das maiores redes neste setor, afirma que <em>“em 2022, estima-se que este mercado global corresponda a um valor de 250 mil milhões de euros. Hoje em dia, 6% a 7% da economia da União Europeia depende da navegação por satélite.”</em></p> <p>A <a href="http://www.igeolise.com/">iGeolise</a> é um exemplo. Mapas digitais que, em vez de mostrarem as distâncias, funcionam através do critério do tempo – foi o conceito tecnológico criado, em 2009, por esta empresa de serviços de geolocalização. Em seis anos, esta <span class="caps">PME</span> quadriplicou anualmente o volume de negócios e abriu uma filial em Kaunas, na Lituânia. A ferramenta tornou-se essencial no Reino Unido para sites imobiliários, de emprego ou de turismo.</p> <p><em>“O nosso sistema ‘Travel Time’ triplicou as interações nos sites para os quais trabalhamos. Isto é, há mais negócios a ser efetuados com o mesmo número de utilizadores”</em>, explica Charlie Davies, um dos cofundadores.</p> <blockquote class="twitter-tweet tw-align-center" lang="en"><p lang="en" dir="ltr">New local search hack that increases location search <a href="https://twitter.com/hashtag/conversions?src=hash">#conversions</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/marketing?src=hash">#marketing</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/growthhack?src=hash">#growthhack</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/CRO?src=hash">#CRO</a> <a href="http://t.co/0LdaCftKOJ">http://t.co/0LdaCftKOJ</a> <a href="http://t.co/ZwjOnokDpi">pic.twitter.com/ZwjOnokDpi</a></p>— iGeolise (@igeolise) <a href="https://twitter.com/igeolise/status/624265489708122112">July 23, 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>A plataforma assenta na navegação por satélite, não só através do habitual <span class="caps">GPS</span>, mas também do <a href="http://ec.europa.eu/enterprise/policies/satnav/faq/index_en.htm"><span class="caps">EGNOS</span></a>, o serviço europeu de navegação geoestacionária. Nas palavras de Kathrin Sturm, <em>“o <span class="caps">EGNOS</span> é um sistema precursor do Galileu. Consiste em satélites geoestacionários e numa rede europeia de estações terrestres. Serve para potenciar o <span class="caps">GPS</span>, tornando-o mais preciso. E é gratuito. Qualquer empresário pode utilizá-lo.”</em></p> <p>Em 2012, a iGeolise recebeu um prémio da <a href="http://www.esnc.eu/index.php?kat=home.html&anzeige=home.html">Competição Europeia de Navegação por Satélite</a> (<span class="caps">ESNC</span>), uma iniciativa para ajudar os empresários no setor, apoiada pela Comissão Europeia. Segundo Charlie Davies, <em>“o prémio foi um enorme catalizador para a nossa empresa. Passámos a ser aceites pela comunidade e os 7 mil euros que recebemos permitiram-nos criar o primeiro protótipo e uma ação de promoção que nos levou ao nosso primeiro grande cliente no Reino Unido.”</em></p> <p>A competição europeia dá aos empresários a oportunidade de entrar em contacto com centenas de organismos do setor dos satélites, especialistas internacionais e incubadoras. </p> <script id="infogram_0__/4LOZg97Z8PMGPsfHja2f" src="//e.infogr.am/js/embed.js?Wng" type="text/javascript"></script>