Vídeo

euronews_icons_loading
A calma antes dos protestos nas ruas de Cartum

A calma antes dos protestos nas ruas de Cartum

As ruas de Cartum, a capital do Sudão, estavam este sábado completamente desertas, poucas horas antes da anunciada manifestação de protesto contra o golpe militar de segunda-feira, que desencadeou confrontos mortais.

Os militares detiveram na segunda-feira a liderança civil do Sudão, dissolveram o governo e declararam o estado de emergência, levando a um coro de condenação internacional.

Os protestos de rua irromperam contra o golpe, desencadeando uma repressão das forças de segurança que deixou mortos pelo menos oito manifestantes e feriu cerca de 170.

Apesar do derramamento de sangue, os manifestantes continuam desafiantes, com os organizadores esperando encenar uma marcha "milionária" contra a tomada do poder pelos militares.

"Não seremos governados pelos militares". Esta é a mensagem que iremos transmitir" nos protestos, disse a ativista dos direitos sudaneses, Tahani Abbas.

As linhas telefónicas estavam em grande parte desligadas na manha de sábado de manhã as forças de segurança deslocaram-se em grande número para as ruas e bloquearam as pontes que ligam Cartum às cidades vizinhas.

As forças de segurança criaram postos de controlo aleatórios nas estradas principais, passando por transeuntes e revistando carros aleatoriamente.

O Sudão tem sido liderado, desde agosto de 2019, por um conselho governamental civil-militar, juntamente com o governo do Primeiro-Ministro Abdalla Hamdok, como parte da transição agora bloqueada para um governo civil completo.

O golpe desencadeou uma onda de condenação internacional e várias medidas punitivas, com o Banco Mundial e os Estados Unidos a congelarem a ajuda - um duro golpe para um país já mergulhado numa crise económica terrível.

O Presidente americano Joe Biden chamou ao golpe um "grave revés", enquanto a União Africana suspendeu a adesão do Sudão à aquisição "inconstitucional".

Na sexta-feira, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, apelou aos militares para darem mostras de contenção ao reafirmar a sua "forte condenação" do golpe.