Última hora

Última hora

Presidente polaco quer boas relações com europeus e russos

Em leitura:

Presidente polaco quer boas relações com europeus e russos

Tamanho do texto Aa Aa

Bronislaw Komorowski foi recentemente eleito Presidente da República da Polónia. Assume o cargo após a morte de Lech Kaczinsky num acidente de avião. Komorowski diz-se empenhado em reforçar o papel da Polónia na União Europeia, sem deixar de lado a melhoria as relações com a Rússia. A adesão ao euro é uma possibilidade mas terá de ser feita no momento apropriado. A euronews falou com Bronislaw Komorowski em Varsóvia.

euronews:
“Senhor Presidente, bem-vindo à euronews. Quais são os desafios mais importantes que tem de enfrentar, após a trágica morte de seu predecessor, Lech Kaczinsky?”

Bronislaw Komorowski:
“A Polónia encontra-se num período muito difícil, numa crise relacionada com o desastre que causou a morte do presidente e de muitos altos funcionários polacos, incluindo o director do Banco Central, ministros e membros do Estado Maior das Forças Armadas.
O desafio é a integração da Polónia na União Europeia. E a Polónia está a agir correctamente para aprofundar e reforçar a sua política externa, em nome de uma política energética comum e para que se alcance o mais rapidamente possível a construção de uma verdadeira política comum de segurança e defesa”.

euronews:
“Parece partilhar a visão política do actual governo o que não era o caso do seu predecessor. De que forma esta sintonia poderá mudar a abordagem da Polónia face à União Europeia”?

Bronislaw Komorowski:
“Os pontos de vista e os objectivos não foram alterados. Foram as circunstâncias que mudaram. Hoje temos uma oportunidade para que a política externa do Estado polaco seja desenvolvida em total acordo com a União Europeia.”

euronews:
“Pensa que a influência da Polónia no seio da União Europeia pode aumentar?”

Bronislaw Komorowski:
“Cada país membro da União deve aspirar a desempenhar um papel importante no projecto conjunto que é a integração da Europa. Nós também temos essa ambição. Mas, além de ambição, é importante ter argumentos convincentes, e nós temos esses argumentos. A Polónia esforça-se para ser um bom membro da União Europeia. Faz tudo para aprofundar o processo de integração europeia. E fá-lo na prática: mesmo sem ser membro da zona do euro, a Polónia mostrou disponibilidade para participar na solução da crise financeira. Uma crise causada, por assim dizer, pelos países da zona euro. Acreditamos que devemos ver estas questões de forma pragmática, é o que esperamos. A Polónia espera uma solidariedade europeia, nomeadamente através do aprofundamento do processo de integração, nomeadamente, o aprofundamento do princípio da solidariedade entre os países”.

euronews:
“Será que a política externa da Polónia está em transição, de um cenário de guerra fria com a Rússia para um cenário de maior cooperação com Moscovo?”

Bronislaw Komorowski:
“Digamos que o enraizamento da Polónia na União Europeia é um elemento essencial que nos permite progredir no que diz respeito às relações russo-polacas e à cooperação mútua. É um aspecto adicional da força da Polónia enquanto membro da União. Depositamos muita esperança e investimos nas relações russo-polacas.”

euronews:
“E em relação ao gasoduto North stream, que é uma questão importante para a Rússia e para a Alemanha e um grande problema para a Polónia?”

Bronislaw Komorowski:
“A construção no mar Báltico de um gasoduto mais caro, que evita passar pelo território da Polónia, é o fruto de uma decisão demasiado rápida, tomada há alguns anos. Não foi possível alterar a decisão, nem mesmo o actual governo alemão pôde alterar as coisas. Tomámos nota desse facto, como já disse. Nós não entendemos esse cálculo. Mas, estamos convencidos de que estamos num período muito bom para a construção de uma colaboração o mais estreita possível entre a Alemanha e a Polónia. E queremos aproveitar este bom período sem nos concentrarmos-nos no gasoduto do Báltico. Mas tornou-se um facto: eles não querem que passe pela Polónia. É uma decisão tomada anteriormente, pelos governos da Rússia e da Alemanha. Penso que se fosse hoje, essa decisão não teria sido tomada.”

euronews:
A Polónia vai apoiar a proposta de eliminar a necessidade de visto para a área entre a União Europeia e a região russa de Kaliningrado?

Bronislaw Komorowski:
“Isso vai acontecer porque é do interesse da Polónia, da Rússia e de toda a Europa. Esta é uma dimensão prática para se alcançar uma situação prática e para se obter também uma reconciliação com a Rússia. Esta questão deveria interessar não só a Polónia, mas toda a União Europeia. Nós esforçamo-nos para criar um mecanismo para que esta aproximação se torne efectiva. É algo útil. E o que também pode ser útil é uma área sem necessidade de visto que se aplicaria às regiões de fronteira mas também, neste caso, ao território de Kaliningrado.”

euronews:
“Quando é que a Polónia estará pronta para integrar a zona euro?”

Bronislaw Komorowski:
“Não somos obrigados a tomar uma decisão. A Polónia é independente face à situação da zona euro e poderá vir a integrá-la mas é preciso escolher um momento adequado e preparar-se.
Esta questão tem a ver com o Estado polaco mas também com o que acontece na zona euro. Mas mesmo não sendo membros da zona do euro, estamos prontos para ajudar a resolver os problemas dos países da zona euro. No entanto, a Polónia discorda e nunca concordará com um projecto de estrutura de governo interno da União só para os países da zona euro. É uma convicção que defendemos da mesma forma que defendemos o reforço da integração europeia.”