Última hora

Andaluzia: terra prometida dos ciganos?

Em leitura:

Andaluzia: terra prometida dos ciganos?

Tamanho do texto Aa Aa

Um único povo, múltiplas realidades. Após séculos de presença, em Espanha, os ciganos conseguiram um certo reconhecimento, embora ainda reste muito caminho a fazer. Agora, vêem chegar os ciganos da Europa de Leste. Esta semana fomos a Sevilha, terra de cruzamento de culturas, nesta série especial dedicada ao povo cigano.

Crónica de uma reportagem junto dos ciganos de Sevilha
 
Cheguei a Sevilha numa terça-feira à noite e, no primeiro bar onde entrei, o empregado recebeu-me cantando flamenco.
 
Em Espanha, a música desempenhou um papel crucial no reconhecimento do povo cigano. Muitos cantores famosos pertencem a esta etnia. O flamenco ultrapassou as fronteiras espanholas e converteu-se mesmo na senha da identidade cultura espanhola.
 
Mas esta elite artística não é representativa da realidade de um povo que vive, há seis séculos, em terras espanholas.
 
A realidade do povo cigano, em Espanha, é complexa e diversificada. Afirmar que se alcançou a integração total não seria correcto. Tão pouco o seria, dizer que toda a comunidade vive em exclusão. Quiçá, o termo mais próximo da realidade é “convivência”.
 
A política espanhola das últimas décadas apostou na integração desta minoria, criando planos específicos e destinando subvenções para favorecer o acesso à habitação, ao emprego, à educação.
 
Avançou-se um pouco, tiraram-se lições. Mas já se começa a ouvir vozes que pedem um quadro comum para todos os cidadãos: ciganos e não ciganos.
 
A política levada a cabo pelo governo francês face aos ciganos chegados da Europa de Leste começou a reforçar o sentimento colectivo do povo cigano.
 
Mas as diferenças nacionais pesam, e muito. Em Espanha, os ciganos têm orgulho em sê-lo e, segundo me contaram, há cada vez menos “ciganos invisíveis” que tentem esconder as suas origens para evitar a discriminação.