Última hora

Última hora

Todos os homens de Tosca

Em leitura:

Todos os homens de Tosca

Tamanho do texto Aa Aa

Uma das mais memoráveis árias na história da ópera, apaixonadamente interpretada por Angela Gheorgiu, é a Tosca de Puccini, numa recente produção do Royal Opera – Covent Garden em Londres.

Num casting de estrelas, dois dos cantores mais aclamados internacionalmente: O baixo-barítono galês Bryn Terfel, como barão Scarpia, e o tenor alemão Jonas Kaufman, na personagem de Mario Cavaradossi,o artista, o intelectual; ele arrisca a própria vida para salvar o amigo Angelotti. Ele será preso, torturado e condenado à morte pelo sádico Scarpia, cuja falsidade perversa Cavaradossi esconde de Tosca.

Jonas Kaufman:“Ele sabe que foi tudo engendrado e a única razão pela qual ele não o mostra, obviamente é porque sabe que ela ficará completamente louca, portanto ele deixa que ela acredite que vão fugir e que tudo vai correr bem. É este plano duplo que torna tudo tão interessante: mostrar ao público que ele enfrenta a pena de morte e que, ao mesmo tempo, planeia o futuro com ela.”

Jonas Kaufman revela a paixão vivida em Tosca:

“Ele está tão apaixonado por ela, que não se importa com as cenas que ela faz.

Ela está sempre: Onde é que estiveste? Não devias de ter feito isso. E ele ama-a assim.”

Uma relação que o tenor alemão associa a experiências vividas: “Lembro-me de uma relação que tive, há muitos anos, era tão apaixonada… tínhamos ambos um caráter forte… era briga e amor o tempo todo.”

O cruel Scarpia é o anti-herói, mas também o cavalo de batalha de várias gerações de barítonos.

Bryn Terfel:“Todos querem ter o papel de Scarpia: tem as cores do perigo, mas também excitação. É claro que ele é mau, inadaptado, descontente, ele é como um abutre que, do alto, está pronta a atacar. Ele não é apenas um oficial da polícia mas também aristocrata, ele é Barão, e a partir dai tudo na sua pessoa, os movimentos, os gestos, são minimais mas contudo diabólicos.”

Adiantando Bryn Terfel que “dentro da própria ópera há um crescendo, na maneira como ele insinua, na forma como ele fala com Tosca, que faz sobressair a raiva imensa e os ciúmes de Tosca.

E, incrivelmente ela acaba por cair no seu plano sádico.”

Nesta edição de “Musica” pode ouvir segmentos do II acto de Tosca, de Giacomo Puccini.