Última hora

Última hora

Em leitura:

Novo disco de Anoushka Shankar cruza flamenco e música clássica indiana


musica

Novo disco de Anoushka Shankar cruza flamenco e música clássica indiana

Em parceria com

A digressão europeia de Anoushka Shankar não podia esquecer Paris. A filha de Ravi Shankar promove o último álbum, “Traveler”. O disco cruza música clássica indiana e flamenco. Durante uma entrevista em Paris, a cantora britânica de origem indiana falou-nos do novo álbum.

“Adoro fazer música, claro, mas fazer música é também uma forma de descoberta. É um álbum com um género de música completamente diferente para mim. Foi como sair da minha zona de conforto e ter de sobreviver. Tive de aprender muito sobre flamenco. Mas há também os sentimentos por detrás das formas, saber de onde eles vêm. Não se trata apenas do flamenco. Cada vez que abandonamos a nossa zona de conforto, a nossa zona conhecida, crescemos enquanto artistas e enquanto pessoas, confessa a artista.

Para Shankar, a música clássica indiana não é apenas uma paixão, é uma verdadeira herança familiar.

“A música clássica indiana é a minha grande inspiração. E a minha formação de base e é o que faço. É algo que me serve sempre de referência.

Mas, de certa maneira, tive de libertar-me dela para poder apropriá-la de novo como algo meu.

Foi um processo difícil no início porque tive medo que as pessoas pensassem que eu estava a abandonar a tradição, a diluí-la. E não é apenas a tradição, é a música do meu pai”, explica Shankar.

A artista explica-nos a forma como se distanciou das raízes musicais para poder incarná-las de forma mais plena.

“É um processo que temos de assumir. Temos de deixar os nossos pais, deixar a tradição para nos encontrarmo-nos a nós próprios. O que é irónico é que eu me sinto muito próxima da música clássica indiana, mais próxima que antes de começar a abandoná-la, porque me apercebi do quanta amava essa música”, afirma a artista.

Anoushka Shankar passou a maior parte do tempo entre dois continentes, o Indiano, na casa de Nova Deli, e o Americano, na Califórnia, onde estudou.

“Foi muito libertador para mim ser forçada a transcender as fronteiras. Porque associamos o que nos rodeia à nossa identidade e adquirimos hábitos que acabam por ser o que somos. A forma como vivi obrigou-me a reanalisar os hábitos e as ideias com que fui educada. Tive de me encontrar a mim própria, para além de todas essas coisas. Isso pode dar origem a uma certa confusão que pode ser boa para um artista porque faz-nos procurar, é um bom impulso”.

A peça sobre Anoushka Shankar contém excertos das faixas “ISHQ”, “Bhairavi”, e “Inside me” do álbum “Traveller” (Deutsche Grammophon”)

Para ver outros excertos da entrevista com Anoushka Shankar, clique aqui: euronews.net

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Plácido Domingo 40 anos depois

musica

Plácido Domingo 40 anos depois