Última hora

Última hora

Raça e religião: o peso pesado das minorias nas eleições americanas

Em leitura:

Raça e religião: o peso pesado das minorias nas eleições americanas

Tamanho do texto Aa Aa

Os latino americanos representam 20 milhões de votos, determinantes na luta dos candidatos pelos eleitores indecisos dos “Swing States”. A família Serrano, originária do Equador, já consciencializou o valor do seu voto, pois integra os 30% da futura população dos Estados Unidos, em 2050.

Herbert Serrano, Los Angeles:

“Podemos ser um grupo com muito poder e podemos forçar as mudanças que nos beneficiem, não apenas a nós latinos, mas a todo o país, porque os latinos são mais jovens. Demograficamente são mais jovens e o número está a aumentar.”

O que é mais difícil é cativar os eleitores e não está garantido que votem em bloco.

Eduardo Zurita, também residente em Los Angeles:

“Aprecio bastante a filosofia republicana, para haver mais controlo, mais privacidade. Por outras palavras, o governo não pode resolver tos nossos problemas todos mas, dos dois candidatos prefiro Obama por causa das posições fortes que toma em relação aos hispanos e a todos os que precisam”.

O que une mais os latinos é a imigração.
Apesar do aumento de expulsões durante o mandato de Obama, os imigrantes temem muito mais Mitt Romney, pois os republicanos são mais hostis aos imigrantes em situação ilegal.

Esta rejeição também é sentida pelos homossexuais. Na Califórnia, esta categoria do eleitorado já ganhou alguns direitos: pode adotar, por exemplo, o que fez este casal que, apesar de tudo, não pode contrair matrimónio.
Para famílias como a de Olivier, Steve e os dois gémeos, a espera até conhecer o resultado das eleições não é fácil.
Desconfiam de Mitt Romney, precisamente por ser bispo da Igreja Mormon.

“Os mormons, que nem são bem igreja, mas um culto, odeiam os homossexuais, a quem proibem a entrada nos templos. Fazem precisamente o caminho inverso dos defensores dos direitos civis dos norte-americanos. Não podem governar o país”.

Steve conheceu pessoalmente o presidente Obama, no ano passado.

“Ele tem as próprias crenças que não terão forçosamente de estar por trás dos direitos civis que defende. Mas agora, ele já não representa apenas os sindicatos deoIllinois, ele representa todo o Partido Democrata, que inclui a califórnia e os direitos civis democratas”.

Recentemente, Obama pronunciou-se pessoalmente a favor do direito ao casamento dos homossexuais.