Última hora

Última hora

Astana recebe 12ª edição do Eurasian Media Forum

Em leitura:

Astana recebe 12ª edição do Eurasian Media Forum

Tamanho do texto Aa Aa

Mais de 700 delegados, de cerca de 70 países, estiveram na 12ª edição do Eurasian Media Forum, em Astana, capital do Cazaquistão. Políticos, jornalistas e responsáveis pelos média discutiram temas como a crise global e o seu impacto nos média.

“Durante o ano, analisamos os eventos que mais aparecem nos média e que provocam mais reações. Nós recolhemos informações, analisamo-las e elaboramos um programa para o fórum”, explica Ruslan Zhemkov, diretor-geral da EMF.

O Programa nuclear do Irão, a integração euro-asiática, a globalização, o mundo multipolar, as mais importantes “think tanks” de todo o mundo partilham as suas opiniões sobre esses tópicos. Algumas das questões abordadas foram: “Como é que a globalização afeta a realidade no século XXI?” e “Existe uma nova ordem mundial?”, ouvimos a opinião de Newt Gingrich, antigo porta-voz da Câmara dos Representantes:

“Não acho que haja uma nova ordem global. Acho que há um mundo tecnológico emergente e há uma economia mundial emergente, mas acho que os políticos e os governos estão a ficar para trás e, nos próximos 50 anos, vamos assistir a mais desordem e precisamos de aprender para que não cause danos maiores.”

Todos os participantes podiam participar na discussão com políticos e jornalistas de renome mundial. Este fórum é um torneio aberto para a batalha de opiniões. As posições dos muitos oradores são muitas vezes, totalmente, opostas. E às vezes as discussões são muito duras.

Os conflitos e guerras, que abalam o planeta, estiveram no topo da agenda. Uma das discussões centrou-se no “barril de pólvora do Oriente Médio”. Será que alguém tem a chave para resolver o conflito na Síria?

“A crise na Síria é quase impossível de resolver, porque o Estado sírio é uma realidade frágil. Tem muitas etnias, muitas tradições estabelecidas que não estão unificadas. Acho que é o povo sírio que possui as chaves para o seu próprio futuro, é muito difícil para qualquer outra pessoa interferir”, afirma Alessandro Minuto-Rizzo, antigo secretário-adjunto da NATO.

O papel dos média globais, que estão no ar 24 horas por dia, com todos os detalhes da guerra, mudou drasticamente no século XXI, pelo menos é esta a opinião do ex-primeiro-ministro de Israel, Ehud Barak:

“As pessoas estão conscientes de todos os desastres na terra, um tsunami na Indonésia entra em todas as casas numa questão de horas, mas especialmente as guerras. Tornou-se mais claro que os líderes terão de ter em conta a sensibilidade do seu próprio público, para o preço da guerra.”

O boom dos média sociais atingiu as novas gerações que não têm sequer um telefone fixo em casa. Podem eles tomar, realmente, o lugar dos meios de comunicação não virtuais – revistas, rádio e televisão? Mesmo que alguns acreditem que isso pode acontecer, outros especialistas, como Stephen Dunbar-Johnson, Presidente Internacional do New York Times, duvidam:

“Eu não acho que os média sociais sejam maus, mas acho que é preciso ter cuidado quando se diz que o twitter é jornalismo, não estou certo disso, as reportagens à moda antiga ainda têm um papel a desempenhar.”

Os média sociais desempenharam um papel crucial na carreira do presidente dos EUA. Um dos convidados do Fórum, Roger Fisk, também ele teve um papel fundamental nos bastidores, criou a estratégia que ajudou Barak Obama a ganhar a eleição presidencial duas vezes:

“Pela primeira vez na história, pelo menos na história da política norte-americana, convidámos as pessoas a entrar no nosso sítio na internet, a criar um perfil, importar os seus contactos e isso permitiu utilizar o nosso site como uma ferramenta, não apenas para obter informação sobre a nossa atividade política, mas também criar a sua própria atividade política.
Chamámos-lhe My BarackObama.com”, explica Fisk.

Simon Anholt inventou o termo “marca nacional”. Ele aconselhou dezenas de países sobre como criar sua imagem. Simon trabalha, em estreita colaboração, com chefes de Estado e governo. Ele insiste que há outras formas de fazer publicidade:

“Vivemos numa época de grandes desafios, mudanças climáticas, proliferação nuclear, terrorismo, preocupação com os direitos humanos… Qualquer país, se agarrar numa destas questões e demonstrar alguma evolução, então vai, rapidamente, ganhar uma boa reputação.”

No próximo ano, esta batalha de opiniões vai centrar-se no futuro do planeta. Os preparativos para o próximo fórum, que une Europa e Ásia, já começaram.