Última hora

Última hora

Migração ilegal: OIM prevê 30 mil mortes no Mediterrâneo só este ano

Organização Internacional para as Migrações (OIM) revela que desde o inicio deste ano já morreram 1776 migrantes ilegais no mar. Em todo o ano de 2014, morreram 3279

Em leitura:

Migração ilegal: OIM prevê 30 mil mortes no Mediterrâneo só este ano

Tamanho do texto Aa Aa

O número de pedidos de socorro no Mediterrâneo não para de crescer. Só na segunda-feira, por exemplo, a guarda costeira italiana teve de socorrer pelo menos seis barcos em apuros, que tentavam chegar à Europa sobrelotados de migrantes ilegais.

Ao ritmo a que estão a suceder, contudo, os trágicos naufrágios, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) estima que o número de migrantes ilegais que perdem a vida no Mediterrâneo atrás do sonho de uma vida digna na Europa seja agravado dos mais de 3.279 do ano passado para cerca de 30.000 no final deste ano – um agravamento de quase 1.000 por cento.

A OIM sustenta esta estimativa no balanço de vítimas destes primeiros três meses e meio de 2015 e, em particular, no ritmo a que as mortes têm acontecido nesta última semana — mais de 1200 reportadas. O número de migrantes ilegais mortos no mar que separa a África da Europa já ultrapassa a metade de todo o ano passado.

“Abril de 2015 está a ser o mês mais cruel de todos. É aquele em que estamos a ver morrer o maior número de pessoas. Só este ano, podemos contabilizar 1.776 mortes no Mediterrâneo”, detalhou, em Genebra, Adrian Edwards, o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

So far this year, 1,600 refugees & migrants have lost their lives trying to cross the Mediterranean sea.Image: UNHCR

Posted by UNHCR on Segunda-feira, 20 de Abril de 2015

Em Catânia, na ilha italiana da Sicília, estão os máximos responsáveis da Cruz Vermelha Internacional. Entre eles, o secretário-geral Elhadj As Sy e o vice-presidente e responsável pelo braço italiano da organização, Francesco Rocca. Os dois protagonizaram esta terça-feira uma conferência de imprensa, onde sublinharam o drama que está a tornar o Mediterrâneo num gigantesco cemitério e alertaram que “esta tragédia global não é sobre números e estatisticas, é sobre pessoas”. “Por tras de cada número, há uma história”, referiu Elhadj As Sy..

“Como é habitual, temos primeiro de contar centenas de mortos antes de conseguirmos prender a atenção da opinião pública sobre um fenómeno que há 20 anos afeta a Itália e todo o nosso continente europeu. E para o qual, até hoje, não conseguimos das instituições europeias uma resposta coordenada e atenta”, lamentou Rocca.

Já esta terça-feira, a guarda costeira italiana divulgou, por fim, um novo vídeo, no qual se vê um barco pesqueiro sobrelotado alegadamente a caminho da Europa, cerca de 80 milhas a sul da costa italiana da Calábria. As mais de 400 pessoas que seguiam a bordo foram resgatadas. Somente entre segunda e terça-feira, a guarda costeira italiana garante ter resgatado do alto mar um total de 1084 pessoas.

Abril foi o mês mais cruel do ano para refugiados e migrantes no Mar Mediterrâneo. Muitos deles partem da Líbia para o…

Posted by Acnur/Unhcr Américas on Terça-feira, 21 de Abril de 2015