Última hora

Última hora

O "ou vai ou racha" de Nigel Farage nas eleições britânicas

South Thanet, no condado de Kent, é uma das circunscrições decisivas das eleições britânicas desta quinta-feira. A zona turística, hoje quase ao

Em leitura:

O "ou vai ou racha" de Nigel Farage nas eleições britânicas

Tamanho do texto Aa Aa

South Thanet, no condado de Kent, é uma das circunscrições decisivas das eleições britânicas desta quinta-feira.

A zona turística, hoje quase ao abandono, que regista um dos níveis de desemprego mais elevados do país é o bastião do líder dos eurocéticos, Nigel Farage.

Farage afirmou já que pretende demitir-se caso não vença o escrutínio, quando as sondagens revelam ainda um eleitorado dividido entre conservadores e eurocéticos.

Uma residente de South Thanet afirma, “o que está a acontecer no nosso país é prejudicial para nós e nós não estamos a estigmatizar pessoas. Nós gostamos de toda a gente, fazemos férias no estrangeiro e gostamos de toda a gente, mas há limites para o amor”.

Outro residente afirma, “acho que vamos ter que continuar com Cameron pois é sempre melhor lidar com um diabo conhecido. Pelo menos está a tentar resolver as coisas e deu-nos a opção de um referendo sobre a permanência na União Europeia no próximo ano”.

Farage continua a apresentar-se como uma alternativa aos dois principais partidos. A ameaça de abandonar a liderança da formação, em forma de ultimato, contrasta com as críticas de Farage ao sistema eleitoral maioritário no Reino Unido:

‘Passámos as últimas duas ou três semanas a ouvir os outros partidos a explicar porque é que não se devia votar no adversário. Assistimos a uma política totalmente negativa neste país e começo a pensar que é o resultado do sistema de escrutínio maioritário em vigor no Reino Unido. Por favor votem em mim, pois não somos tão medonhos quanto os outros. Se tivéssemos alguma forma de campanha de relações públicas poderiamos ter gente a dizer que votassem em nós, pois é isso que queremos’‘, afirmou Farage.

O candidato local dos conservadores, Craig MacKinlay, um dissidente do UKIP, multiplica nos últimos dias a campanha porta-a-porta para tentar neutralizar o adversário, com o apoio de vários tenores do partido.

“O próximo primeiro-ministro só pode ser ou David Cameron ou Ed Miliband. O único partido que é capaz de formar e que vai formar um governo é o partido Conservador, em especial agora que demos uma garantia sólida de que vai haver uma renegociação e um referendo, votar noutro partido significa que esta consulta não vai acontecer”, afirma MacKinlay.

Farage, que fez da redução da imigração e do “patriotismo” económico um dos principais cavalos de batalha, promete tirar o Reino Unido da União Europeia caso vença o sufrágio.

Segundo as últimas sondagens, o UKIP deverá ser o terceiro partido do escrutínio com entre 12% (Sondagem Opinium) e 14% (TNS) das intenções de voto. Resta saber se com ou sem o seu líder carismático no parlamento.