Última hora

Última hora

Shyrokyne: Linha da frente da guerra por Mariupol

Shyrokyne é hoje uma cidade-fantasma no centro da guerra pelo pelo porto de Mariupol, no sudeste da Ucrânia. A minúscula localidade na margem do Mar de Azov já foi um dos destinos turísticos predilect

Em leitura:

Shyrokyne: Linha da frente da guerra por Mariupol

Tamanho do texto Aa Aa

Shyrokyne é hoje uma cidade-fantasma no centro da guerra pelo pelo porto de Mariupol, no sudeste da Ucrânia. A minúscula localidade na margem do Mar de Azov já foi um dos destinos turísticos predilectos dos ucranianos. A euronews visitou esta vila, palco de duros combates desde o mês de Fevereiro.

Point of view

A ajuda para os que defendem Mariupol poderá vir dos Estados Unidos.

“Estamos na linha da frente, em Shyrokyne, que já foi uma vila turística, mas que foi abandonada pelos habitantes há meses. Esta localidade tem sido nos últimos meses palco de violentos combates entre as forças ucranianas e os da autoproclamada República Popular de Donetsk. Por estes dias, há muita preocupação em torno dos riscos de uma retirada de tropas desta área”.

Sem um exército eficaz e convenientemente preparado, uma boa parte da defesa da Ucrânia é feita por milícias, muitas vezes fora do controlo das autoridades de Kiev.

Miliciana no seio do Batalhão do Donbass, Olga era até há pouco tempo uma artista de Donetsk. Queixa-se que “o armamento é muito mau. Se o governo quer conservar a cidade tem de fornecer mais recursos, tem de prestar mais atenção e investir mais em Mariupol e nos que a defendem”. Aguarda com ansiedade e algum desespero que Kiev de mais apoio à defesa deste “estratégico e importante” porto do Mar de Azov.

O teatro de guerra é desequilibrado, segundo os milicianos. “Sedoy”, outro membro do batalhão afirma que os pró-russos “fazem uma rotação. Retiraram os chechenos de Shyrokyne e enviaram os russos. Não há pessoas da autoproclamada republica popular de Donetsk. Sabemos isso graças a monitorização que fazemos das comunicações rádio”, conclui.

A ajuda para os que defendem Mariupol poderá vir dos Estados Unidos, onde vários responsáveis republicanos e democratas já apelaram ao presidente Obama para fornecer armas à Ucrânia.