Última hora

Última hora

O dia perfeito de Lewis Hamilton

Foi um dia perfeito para Lewis Hamilton em Monza. O inglês dominou o Grande Prémio de Itália do início ao fim, como é costume, e deu um salto de

Em leitura:

O dia perfeito de Lewis Hamilton

Tamanho do texto Aa Aa

Foi um dia perfeito para Lewis Hamilton em Monza. O inglês dominou o Grande Prémio de Itália do início ao fim, como é costume, e deu um salto de gigante rumo ao título mundial depois do seu principal rival ter sido obrigado a abandonar.

A corrida foi igual a tantas outras esta temporada. Hamilton largou da pole-position, carregou prego a fundo e nunca mais foi incomodado até cruzar a linha da meta.

Os momentos de maior emoção até aconteceram já depois da corrida, com o inglês a ser investigado devido a uma irregularidade na pressão dos pneus. Após algumas horas de discussão, os comissários de pista acabaram por validar o seu triunfo.

Sebastian Vettel terminou na segunda posição. A cereja em cima do bolo para Hamilton foi a desistência de Nico Rosberg a duas voltas do fim com problemas no monolugar.

O alemão cedeu assim o terceiro lugar a Felipe Massa e está já a 53 pontos de Hamilton no mundial de pilotos.

Só Farina sabe o que é ganhar em casa

O circuito de Monza é uma paragem obrigatória no mundial de Fórmula 1. Foi a última de sete corridas na temporada de estreia, a 3 de setembro de 1950, e coroou o primeiro campeão do mundo da história.

À partida para a corrida as contas eram simples, a tarefa de Giuseppe Farina nem por isso. Para poder festejar o título mundial o italiano tinha de vencer a corrida e esperar que Juan Manuel Fangio não fosse além da terceira posição.

Farina esteve à altura das expectativas e garantiu o triunfo. O argentino nem por isso e foi obrigado a abandonar com problemas na caixa de velocidade do seu Alfa Romeu após 23 voltas.

Não foi o único que teve problemas no traçado italiano, dos 26 participantes, só sete conseguiram terminar o Grande Prémio.

Aproveitou Nino Farina para conquistar o Campeonato do Mundo de estreia, ainda hoje se trata do único piloto a festejar o título mundial em casa.

Filipe Albuquerque a um passo de festejar o título… no Estoril

A última corrida, a 12 de julho em Spielberg, na Áustria, tinha sido ganha pela Jota Sport, com Filipe Albuquerque, Simon Dolan e Harry Tincknell ao volante.

Um triunfo que tinha colocado a equipa inglesa no topo da classificação geral da série europeia de Le Mans.

Em Paul Ricard mostraram que são os mais fortes candidatos ao título e venceram as quatro horas de Le Castellet com uma vantagem de mais de meio minuto para a Greaves Motorsport.

Irão partir para a derradeira prova da temporada, no Estoril, com uma vantagem de 18 pontos na classificação geral, naquela que será uma oportunidade de ouro para Filipe Albuquerque festejar o título em casa.

Na categoria LMP3, o título já foi arrebatado pela LNT de Chris Robertson e do hexacampeão olímpico de ciclismo de pista, Chris Hoy.

YEAHHHHHH!!!!! GANHAMOS!!!VICTORY!!!#elms #paulricard #lmp2 @team_jotasport #victory #zeisslenses

Posted by Filipe Albuquerque on�Sunday, 6 September 2015