Última hora

Última hora

Refugiados: Desespero sem fronteiras na fronteira da Hungria

Centenas de refugiados em desespero tentaram quebrar as colunas policiais, num campo perto de Röszke, na Hungria, nas proximidades da fronteira com a

Em leitura:

Refugiados: Desespero sem fronteiras na fronteira da Hungria

Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de refugiados em desespero tentaram quebrar as colunas policiais, num campo perto de Röszke, na Hungria, nas proximidades da fronteira com a Sérvia.

A situação agrava-se ao minuto. As pessoas vindas, principalmente, da Síria, do Iraque e do Afeganistão não querem ir para campos, onde lhes são tiradas as impressões digitais – pretendem ir, diretamente, para Budapeste e para fora do país.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados está no centro do caos. Caroline van Buren faz parte da organização humanitária: “Nos próximos dias, o ACNUR vai criar um centro de acolhimento aqui, vamos colocar tendas, fornecer cobertores, comida e água. Também estamos a trabalhar com as autoridades, para que o tempo que as pessoas passam no centro seja menor”.

Os que tentaram escapar do campo foram perseguidos pela polícia. Só querem continuar a viagem. “Não queremos ficar aqui. Deixem-nos ir a pé ou seguir a viagem para Budapeste de autocarro ou de táxi”, diz um dos refugiados.

O ACNUR pediu à Hungria para melhorar as condições de acolhimento às milhares de pessoas que entram no país. Em resposta, o governo húngaro continua a erguer um muro ao longo da fronteira com a Sérvia e recusa a aceitar o apelo da UE, para implementar um sistema de distribuição dos refugiados.