Última hora

Última hora

Obama defende que derrota de Estado Islâmico na Síria requer novo líder

Obama defendeu uma mudança de regime em Damasco como via para a derrota do grupo extremista Estado Islâmico na Síria. Esta a essência do discurso de

Em leitura:

Obama defende que derrota de Estado Islâmico na Síria requer novo líder

Tamanho do texto Aa Aa

Obama defendeu uma mudança de regime em Damasco como via para a derrota do grupo extremista Estado Islâmico na Síria.

Point of view

"Derrotar o grupo Estado Islâmico requer, na minha opinião, um novo líder assim como um governo inclusivo que una os sírios na luta contra os grupos terroristas", Barack Obama, Presidente, EUA

Esta a essência do discurso de Barack Obama esta terça-feira no encontro de líderes organizado à margem da Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque.

O presidente norte-americano responde assim à Rússia que defende o envolvimento de Bashar al-Assad numa solução do conflito na Síria.

“Tal como disse na segunda-feira, derrotar o grupo Estado Islâmico requer, na minha opinião, um novo líder assim como um governo inclusivo que una os sírios na luta contra os grupos terroristas. Isto vai ser um processo complexo e tal como já disse, estamos preparados para trabalhar com todos os países, incluindo a Rússia e o Irão, para encontrar um mecanismo político dentro do qual seja possível iniciar um processo de transição”, afirmou o líder norte-americano durante o encontro.

A coligação liderada pelos Estados Unidos contra o grupo estado islâmico tem-se concentrado em lançar ofensivas aéreas contra alvos extremistas.

Na Síria o grupo tem feito avanços consideráveis no terreno incluindo a destruição de zonas de interesse arqueológico.

A Rússia reagiu ao encontro organizado pelos Estados Unidos descrevendo-o como uma falta de respeito pelas Nações Unidas e pelo seu secretário-geral.

Bashar al-Assad continua no centro das diferenças entre Moscovo e Washington.

Moscovo tem vindo a reforçar a sua presença na Síria pois considera que a solução do conflito passa pelo reforço do regime de Damasco.