Última hora

Última hora

Rússia envia navios de guerra para a Síria

Um grupo de fotógrafos de Istambul reuniu evidências do aumento da atividade da marinha russa, no Estreito do Bósforo. São manobras de natureza

Em leitura:

Rússia envia navios de guerra para a Síria

Tamanho do texto Aa Aa

Um grupo de fotógrafos de Istambul reuniu evidências do aumento da atividade da marinha russa, no Estreito do Bósforo. São manobras de natureza, aparentemente, militar – os navios deslocam-se a partir do Mar Negro, até ao Mediterrâneo através do Bósforo.

Os observadores turcos descreveram numerosas embarcações, transportando equipamento militar e especulam que se dirigem à Síria.
A Euronews enviou um pedido oficial ao Ministério da Defesa russo, para que comentasse esta questão, mas não recebeu resposta imediata.

O fotógrafo amador, Yörük Işık, explica: “O movimento mais importante que observamos no nosso grupo foi que os navios comerciais são utilizados para transportar equipamento militar, mas não existem explosivos. Vimos tendas pré-fabricadas, tanques de água, camiões militares, com os logos militares das tropas russas, na Ucrânia.”

O fotógrafo amador diz que estas movimentações, pouco habituais por parte da Rússia, aumentaram no final do verão.

“Com este tráfego é muito difícil tirar fotografias a todos os barcos. Na semana passada, todos os dias, havia um navio militar russo no estreito do Bósforo. Nalguns dias havia duas ou três navios russos a passar em alturas diferentes ou ao mesmo tempo. Por exemplo: no último sábado dois navios militares russos, um que voltava ao porto de origem de Sevastopol e outro em direção ao Mediterrâneo, passaram exatamente ao mesmo tempo aqui, debaixo da Ponte do Bósforo”, acrescenta Yörük Işık.

O aumento destas movimentações da marinha russa está a levantar uma onda de preocupação nas potências ocidentais.

O correspondente da euronews, Bora Bayraktar, conclui:“De acordo com os fotógrafos amadores, o tráfego de navios militares russos, nos estreitos da Turquia, aumentou desde agosto. Ao que tudo indica, este tráfego vai aumentar ainda mais, à medida que a Rússia tenta construir nova base naval na Síria, para apoiar o regime de Assad.”