Última hora

Última hora

Luaty Beirão responsabiliza presidente de Angola por consequências da greve da fome

Em leitura:

Luaty Beirão responsabiliza presidente de Angola por consequências da greve da fome

Luaty Beirão responsabiliza presidente de Angola por consequências da greve da fome
Tamanho do texto Aa Aa

Luaty Beirão responsabiliza o presidente de Angola, José Eduardo do Santos, pelas consequências da greve de fome que começou há 29 dias. O rapper, formado em engenharia, considera que os seus direitos constitucionais estão a ser desrespeitados.

Beirão foi transferido durante a semana para uma clínica particular, depois de ter perdido os sentidos durante alguns minutos. A carta divulgada este domingo tem a data de 14 de outubro e a assinatura foi reconhecida pelos serviços prisionais.


O ativista de 33 anos foi detido no dia 20 de junho com mais 14 jovens. Em setembro foram acusados pelo ministério público de prepararem uma rebelião e um atentado contra o chefe de Estado. O caso começa a gerar algumas reações internacionais.

Domingo, 18 de Outubro. Clínica Girassol, Luanda.Hoje foram feitos exames mais detalhados . Todos os testes dão…

Posted by Luaty Beirão on Domingo, 18 de Outubro de 2015

O Ministério dos Negócios Estrangeiros está a encetar contactos para conseguir um encontro a sós com o cidadão luso-angolano. Durante a semana o rapper recebeu a visita de alguns diplomatas da União Europeia e, em Lisboa, realizou-se um pequeno protesto.

Além de Luaty Beirão, há outro ativista em greve de fome. De acordo com o site Maka Angola, Albano Bingobingo pode estar em risco de vida. Menos mediático, o caso de Bingobingo pode ser mais grave, denuncia o jornalista angolano Rafael Marques de Morais.

Bingobingo iniciou a greve de fome há 11 dias mas no sábado (17 de outubro) encontrava-se numa sala de detenção com cerca de uma centena de outros reclusos, apenas uma latrina comum e sem atenção médica. A mulher de Luaty Beirão, Mónica Almeida, declarou ontem à euronews que os 14 ativistas foram entretanto transferidos para cadeia-hospital de São Paulo, em Luanda.


O Governo de Angola continua em silêncio sobre estes 15 ativistas, mas de uma forma geral reagiu a uma resolução europeia que solicitou a Luanda pela “libertação imediata e incondicional de todos os ativistas pelos direitos humanos, incluindo Marcos Mavungo e os 15+1 ativistas detidos em junho de 2015.”

[ A Resolução do Parlamento Europeu de 10 de setembro ]

Num comunicado de 25 de setembro, disponibilizado pela assessoria de imprensa da Embaixada angolana no Benelux, o executivo liderado por José Eduardo dos Santos limitou-se a a reagir a resolução n°2015/2839 (RSP) do Parlamento Europeu, aprovada, recentemente, sobre a situação dos Direitos Humanos em Angola. “o Executivo angolano rejeita categoricamente o conteúdo da resolução do Parlamento Europeu sobre eventuais casos de violação de direitos humanos e lamenta que uma instituição credível se tenha deixado enredar por informações caluniosas”, lê-se na nota.

O Governo angolano acrescenta ainda que a resolução foi tomada tendo “por base um relatório parcial e subjectivo, elaborado por uma eurodeputada (a portuguesa ana Gomes) que realizou uma deslocação privada à República de Angola, no passado mês de Julho.”