Última hora

Última hora

Ban Ki-moon exige fim da violência antes de visita surpresa a Israel e aos territórios palestinianos

"Deixem-me ser claro: a violência só vai minar as legítimas aspirações palestinianas de construir um Estado e os anseios por segurança dos israelitas", afirmou o secretário-geral das Nações Unidas.

Em leitura:

Ban Ki-moon exige fim da violência antes de visita surpresa a Israel e aos territórios palestinianos

Tamanho do texto Aa Aa

“Já chega. Deixemos de hipotecar o futuro de ambos os povos e da região”. É esta a mensagem que o secretário-geral das Nações Unidas quer deixar a israelitas e palestinianos na visita surpresa de dois dias à região.

Point of view

Deixem-me ser claro: a violência só vai minar as legítimas aspirações palestinianas de construir um Estado e os anseios por segurança dos israelitas.

Numa vídeo gravado antes de aterrar em Israel, Ban Ki-moon disse que a ONU irá “continuar a apoiar todos os esforços para criar as condições para um regresso a negociações construtivas. Deixem-me ser claro: a violência só vai minar as legítimas aspirações palestinianas de construir um Estado e os anseios por segurança dos israelitas”, concluiu.

Com a opinião pública insatisfeita pela forma como tem reagido à mais recente vaga de violência, Benjamin Netanyahu voltou mais uma vez as baterias contra o presidente da Autoridade Palestiniana. “No outro dia, ele (Abbas) disse: ‘congratulo-me com cada gota de sangue derramada em Jerusalém. São estas as palavras de um moderado? Ele glorifica estes assassinatos. Ele não condenou nenhum dos 30 ataques contra israelitas no último mês”, afirmou o primeiro-ministro israelita.

Esta quarta-feira, o presidente da Autoridade Palestiniana recebe a visita de Ban Ki-moon, em Ramallah. Sexta-feira, Mahmoud Abbas tem encontro marcado com o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, em Amã, na Jordânia. No final do mês (28 de outubro), o líder palestiniano irá fazer uma alocução numa “reunião especial” do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre a situação na região, que terá lugar em Genebra.