Última hora

Última hora

Identificados os dois suspeitos do tiroteio na Califórnia

As autoridades norte-americanas identificaram os alegados responsáveis pelo tiroteio em San Bernardino, na Califórnia, um homem e uma mulher mortos durante uma perseguição

Em leitura:

Identificados os dois suspeitos do tiroteio na Califórnia

Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades norte-americanas identificaram os alegados autores do tiroteio que fez 14 vítimas mortais e 17 feridos, na quarta-feira, em San Bernardino, na Califórnia.

Os dois suspeitos, mortos durante uma troca de tiros com a polícia, tratam-se Syed Rizwan Farook, de 28 anos, e Tashfeen Malik, de 27.

“Farook estava no evento festivo, de onde saiu mais cedo mostrando-se chateado ou algo similar. Eram essas as informações que seguíamos, que nos levou a uma residência em Redlands e deu lugar a uma perseguição e posterior tiroteio”, refere o chefe da polícia de San Bernardino, Jarrod Burguan.

O incidente ocorreu às 11 horas locais, quando se realizava uma festa que reúnia dezenas de funcionários públicos do condado de San Bernardino, num centro que alberga serviços de apoio a portadores com deficiência e necessidades especiais.
Os dois atacantes, na posse de espingardas automáticas AR15, entraram na sala e alvejaram funcionários públicos que participavam no evento.
Horas mais tarde e depois de uma denúncia, a polícia detetou suspeitos numa casa em Redlands, uma cidade a alguns quilómetros do centro do centro de San Bernardino.
Foi então encetada uma perseguição. Os dois suspeitos, um homem e uma mulher, vestidos de negro, foram abatidos. Um agente da polícia ficou ferido sem gravidade.
Uma terceira pessoa, vista a sair do local da interceção, foi detida e foi interrogada. Mas o chefe da polícia de San Bernardino deu a entender que as autoridades já não acreditam que um terceiro suspeito esteja a monte.

Os familiares dos suspeitos não conseguem entender o que os levou a praticar este ato.

“Não faço ideia, não entendo o que o levaria a fazer isso. Porque faria ele uma coisa destas?! Não faço mesmo ideia. Eu próprio estou chocado”, afirma Farhan Khan, cunhado de um dos suspeitos.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que se encontra na cimeira do clima em Paris, foi informado de imediato. Afirmou que mais uma vez a realidade demonstra que é preciso limitar o acesso às armas de fogo.

Outras reações surgiram, como a dos candidatos presidenciais. Hillary Clinton também fez referência a legislação sobre o porte de armas.

Donald Trump desejou boa sorte à polícia, Jeb Bush apresentou condolências às famílias das vítimas.

Este foi o ataque mais sangrento desde o massacre na escola primária de Sandy Hook, em Newton, em dezembro de 2012, onde morreram 27 pessoas – 20 crianças, seis adultos e o atacante.