Última hora

Última hora

Berlioz e o pacto de Fausto com o Diabo... em Marte

Em leitura:

Berlioz e o pacto de Fausto com o Diabo... em Marte

Tamanho do texto Aa Aa

O fascínio de Berlioz pelo pacto de Fausto com o Diabo levou-o a compor uma ópera que regressou agora aos palcos de Paris. O conto imemorial de "A Danação de Fausto", nesta edição de Musica.

É num cenário apocalíptico que encontrámos esta adaptação de “A Danação de Fausto”, a conhecida obra de Hector Berlioz, desta feita encenada na Ópera da Bastilha, em Paris. O tenor Jonas Kaufmann é Fausto e o baixo-barítono Bryn Terfel, Mefistófeles.

Point of view

O encenador concebeu esta ideia de levar Fausto para Marte, com um bilhete só de ida. Essa é a sua condenação.

A lenda de Fausto atravessa os séculos: a estória do alquimista que faz um pacto com o Diabo inspirou muitos artistas. “Acho que é fascinante. A questão fundamental que nos devemos colocar é: será esta uma estória sobre uma só pessoa ou estamos a falar do ser humano e da constante luta perante a tentação do Mal?”, questiona Kaufmann. “Hoje em dia, sabemos que tinha um talento impressionante. Mas, na altura, não tinha muito sucesso. Não tocava piano, apenas flauta e violão. E isso, para um compositor, não é o ideal. Aliás, é surpreendente como ele conseguiu integrar tantos elementos modernos na sua música”, considera.

O conceito da produção é, no mínimo, arrojado: o encenador letão Alvis Hermanis transformou Fausto num cientista do século 21, concretamente em Stephen Hawking, apropriando-se da ideia de que a salvação da Humanidade depende da conquista doutros planetas. Terfel explica que “neste caso particular, o encenador concebeu esta ideia de levar Fausto para Marte, com um bilhete só de ida. Essa é a sua condenação.” O cantor galês afirma que é tudo “como se fosse um puzzle. Berlioz era um compositor que gostava de fazer experiências com a orquestra.”

A obsessão de Berlioz com o poema de Goethe – talvez a versão literária mais famosa de todas – levou-o a esboçar oito cenas que, mais tarde, se transformariam nesta obra. Kaufmann salienta que, “o final da estória é muito extravagante, ele deu-lhe completamente a volta. Segundo a fantasia de Berlioz, Fausto parte com Mefistófeles rumo ao abismo, rumo ao Inferno, onde ambos são acolhidos com cantos satânicos.”