Última hora

Última hora

David Bowie em Berlim: a autodescoberta

Em leitura:

David Bowie em Berlim: a autodescoberta

Tamanho do texto Aa Aa

Os anos passados em Berlim foram um dos períodos mais criativos da carreira de David Bowie. Para muitos alemães, o músico ajudou a derrubar o muro

Os anos passados em Berlim foram um dos períodos mais criativos da carreira de David Bowie.

Point of view

Ele chegou a Berlim e viu que as coisas eram diferentes. Havia muitos artistas, muitos travestis, muitas pessoas estranhas que não se enquadravam na normalidade. Ele gostou muito desse tempo. Foi importante para ele porque até aí ele não se tinha encontrado a si próprio. Para David Bowie, Berlim foi uma viagem de auto-descoberta.

Para muitos alemães, o músico ajudou a derrubar o muro de Berlim, graças à canção “Heroes”. O tema retrata dois namorados junto ao muro e é um convite para ultrapassar as divisões.

Após o anúncio da morte de Bowie, na última segunda-feira, os fãs juntaram-se diante do apartamento onde o artista britânico viveu entre 1976 e 1979.

Foi durante o período passado em Berlim Ocidental que Bowie começou a trabalhar com Brian Eno e partilhou um apartamento com Iggy Pop.

Na capital alemã, o músico britânico encontrou inspiração para três álbuns: “Low” e “Heroes” de 1977 e “Lodger”, lançado em 1979.

O filme “B-Movie: Lust & Sound in West-Berlin, 1979-1989” retrata a cena artística berlinense entre 1979 e o ano da queda do muro. No documentário, o músico e produtor Mark Reeder conta que foi Bowie que o motivou a ir viver para Berlim.

“Ele apresentou o single ‘Heroes’ no programa de televisão Marc Bolan’s TV show”. Eu vi esse programa e nem queria acreditar. A canção de Bowie era incrível, completamente diferente das canções desse tempo. Os anos em que ele viveu em Berlim, onde fez três álbuns, criaram um precedente para todos os artistas. A partir daí, criou-se a ideia, para os artistas, de passar um período em Berlim”, afirmou o músico britânico.

A vida em Berlim ajudou Bowie a assumir a sua diferença.

“Ele chegou a Berlim e viu que as coisas eram diferentes. Havia muitos artistas, muitos travestis, muitas pessoas estranhas que não se enquadravam na normalidade. Ele gostou muito desse tempo. Foi importante para ele porque até aí ele não se tinha encontrado a si próprio. Para David Bowie, Berlim foi uma viagem de auto-descoberta”, acrescentou Reeder.

O músico britânico regressou a Berlim Ocidental em 1987 onde participou num festival junto ao muro. Depois de ter cantado “Heroes”, ouviram-se os jovens de leste a gritar: “o muro tem de cair”. No último dia de concertos, a polícia interveio para esmagar a euforia. Dois anos depois, em 1989, o muro caiu.