Última hora

Última hora

Boris Godunov: O torturado czar de Mussorgsky na Royal Opera House

Em leitura:

Boris Godunov: O torturado czar de Mussorgsky na Royal Opera House

Tamanho do texto Aa Aa

“Boris Godunov”, o czar atormentado pela culpa, a obra-prima do compositor russo Mussorgsky, ecoa em Londres. É a primeira vez que a versão original

“Boris Godunov”, o czar atormentado pela culpa, a obra-prima do compositor russo Mussorgsky, ecoa em Londres.

É a primeira vez que a versão original de Boris Godunov sobe ao palco da Royal Opera House de Londres. A única ópera que o compositor russo Mussorsgky completou é normalmente vista nas adaptações menos arriscadas de Rimsky Korsakov e Shostakovitch.

Para o baixo-barítono Bryn Terfel, é também uma estreia no papel de Godunov. “É muito importante escolher os papéis certos no momento certo da carreira. Tenho 50 anos. Acho que posso começar a assumir outro tipo de personagens”, declara.

Terfel levou quase um ano a preparar-se para o gigantesco personagem operático que é Boris Godunov, o czar atormentado: “Em alemão, italiano ou francês, conseguimos corrigir as coisas. O russo é um animal totalmente diferente. É uma língua nova para mim.”

E esta é também a primeira vez que o maestro Antonio Pappano dirige a arrojada composição de Mussorgsky. “Basta ouvir duas notas para saber que se trata de uma ópera russa. A tonalidade é diferente: os contrabaixos, os fagotes, os violoncelos. Mussorgsky criou um mundo que retrata realmente o seu país”, considera.

Esta ópera inspira-se na estória do czar, no século 16, atormentado pela suspeita que paira sobre ele de ter mandado matar o herdeiro legítimo do trono. Pappano salienta que “a estória foi escrita por Aleksandr Pushkin, que exagerou um bocado as coisas. Não se sabe realmente se Boris mandou assassinar o pequeno Dmitry. Não é um facto. Mas, em termos teatrais, é muito interessante haver uma personagem torturada psicologicamente pelo peso da culpa.”