Multidões participam no último adeus a Muhammad Ali

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com REUTERS
Multidões participam no último adeus a Muhammad Ali

<p>Nos Estados Unidos, pelo menos 14 mil pessoas participaram no primeiro de dois dias de cerimónias fúnebres em memória do pugilista Muhammad Ali falecido na sexta-feira passada aos 74 anos de idade.</p> <p>Entre os presentes contou-se o ativista de direitos civis, Jesse Jackson assim como o antigo promotor de Ali, Don King.</p> <p>Igualmente presente esteve o presidente turco Tayyip Erdogan.</p> <p>A cerimónia fúnebre islâmica teve lugar em Louisville, cidade natal do pugilista.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Muslim prayer service begins two days of funeral ceremonies for Muhammad Ali <a href="https://t.co/0BUugwAm3o">https://t.co/0BUugwAm3o</a> <a href="https://t.co/WDG2TKFRIi">pic.twitter.com/WDG2TKFRIi</a></p>— <span class="caps">AFP</span> news agency (@AFP) <a href="https://twitter.com/AFP/status/740989070172622848">June 9, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> “Ele fez o que tinha que fazer independentemente dos desafios ou consequências. É por isso que adoro este indivíduo mais do que qualquer outra coisa”, adiantou o antigo promotor de Ali, Don King. <p>“Ele utilizou esta plataforma, o desporto, para iluminar a escuridão de onde era originário, a segregação racial, a paz, porque ele escolheu a dignidade em vez do dinheiro. Ele desistiu da riqueza e arriscou ser preso” disse o ativista de direitos civis, Jesse Jackson.</p> <p>Muhammad Ali nasceu Cassius Clay adotando o nome islâmico em 1964. Mais tarde, nos anos 70, Muhammad Ali converteu-se ao Islão sunita.</p> <p>Para esta sexta-feira está prevista uma cerimónia final inter-religiosa.</p> <p>Após a cerimónia, Muhammad Ali será sepultado no cemitério de Cave Hill.</p>