Última hora

Em leitura:

Morreu Muhammad Ali, "O Maior"

mundo

Morreu Muhammad Ali, "O Maior"

Publicidade

Nasceu em 1942 e foi mais do que uma estrela do pugilismo. Voou como uma borboleta e ferrou como uma abelha muitas vezes, muitas mais, depois de dizer estas palavras a Sonny Liston antes de o derrotar em 1964.

Gritou então “eu abanei o mundo”. E abanou mesmo: a história de Cassius Clay, mais tarde convertido ao islamismo com o nome de Muhammad Ali não foi só a de um nome indelével da história do desporto, foi a de um ícone cultural.

Mas a abanar o mundo de Ali desde 1984 esteve a doença de Parkinson. Manteve a coragem, sem se eximir aos olhos de um público habituado a vê-lo erguer os punhos para celebrar vitórias.

No ano em que foi diagnosticado declarou: “As pessoas dizem que falo devagar. Não é de admirar. Calculo que deva ter levado cerca de 29 mil socos. Ganhei 57 milhões de dólares e poupei metade.Sabem quantos homens negros são mortos todos os anos por pistolas e facas sem terem um tostão? Posso falar devagar, mas a minha cabeça está OK.”

E foi a cabeça que o fez dizer também: “Um homem que não é corajoso o suficiente para correr riscos nunca vai conseguir nada na vida.”

Muhammad Ali morreu a 3 de junho. Teve coragem para garantir um lugar na história.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte