Última hora

Em leitura:

NATO adia "retirada" do Afeganistão com compromisso financeiro para mais três anos

mundo

NATO adia "retirada" do Afeganistão com compromisso financeiro para mais três anos

Publicidade

As forças da NATO parecem longe de poder retirar do Afeganistão, treze anos após a intervenção militar norte-americana contra os Talibã e a Al-Qaida no território – em resposta aos atentados de 11 de Setembro (2001).

Os 28 países da Aliança Atlântica comprometeram-se, este sábado, no segundo dia da Cimeira de Varsóvia, a prolongar a missão de apoio às forças afegãs para lá da data limite do final do ano.

Washington decidiu já rever em baixa a redução dos seus militares estacionados no país (1.400 em vez de mais de 4.000 previstos), quando 13 mil soldados internacionais deverão permanecer no país em 2017.

Segundo o Secretário-Geral da NATO, Jens Stoltenberg:

“Eu agradeci ao presidente Obama por esta decisão significativa em termos de reforço de tropas. Também agradeci aos outros paises com tropas no terreno, como a Alemanha, Itália e Turquia e a todos os outros aliados que contribuem para esta missão, pelo seu compromisso forte com esta missão”.

Os aliados comprometeram-se também a prolongar o financiamento da missão de treino de militares e polícias afegãos, com mil milhões de dólares anuais até 2020.

A atual missão tinha sido iniciada no ano passado, após o fim oficial das operações de combate, sem conseguir pôr fim à insegurança e aos ataques dos Talibã.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte