Última hora

Em leitura:

México: Procurador investiga Polícia Federal e estatais no "Caso dos 43"

mundo

México: Procurador investiga Polícia Federal e estatais no "Caso dos 43"

Publicidade

Com Reuters e Efe

O México deverá alargar a investigação sobre o caso dos 43 estudantes desaparecidos em Iguala (estado de Guerrero, sul) em setembro de 2014, às forças policiais dos estados e à própria Polícia Federal.

A decisão foi anunciada depois de um período de investigação focado nas autoridades locais, nomeadamente nos agentes da polícia local das localidades onde teve lugar o desaparecimento dos estudantes.

Segundo o Procurador Federal destacado para a investigação do desaparecimento dos estudantes, Alfredo Higuera, foram ouvidas, até ao momento, cerca de 100 pessoas.

O Procurador referiu ainda que, das 100 declarações, 39 são de polícias de investigação do estado de Guerrero e 19 de agentes da Polícia Federal.

A investigação permitiu o cruzamento de dados relativos a chamadas realizadas por agentes da polícia e funcionários públicos durante a noite dos acontecimentos, assim como de alguns estudantes. As informações foram recolhidas entre 2014 e os primeiros meses de 2015.

Críticas à investigação


Apesar das muitas críticas e protestos de que tem sido alvo todo o processo, tanto a nível interno, como a nível externo, Higuera defendeu a transparência e liberdade com as quais a investigação tem sido levada a cabo:

“Não houve qualquer tipo de limitação quando chamámos a depor quem achámos necessário. Contámos com a presença (…) de todos os níveis de governo,” disse o Procurador.

Alfredo Higuera foi nomeado Procurador Federal especial para o “Caso dos 43” um mês depois de um grupo de peritos internacionais nomeados pela Comissão Interamericana para os Direitos Humanos ter criticado a investigação levada a cabo pelas autoridades mexicanas por causa de “faltas severas” cometidas durante todo o processo.


Também Luis Raúl González, Ombudsman mexicano (Defensor do povo), teceu fortes críticas à atuação das autoridades e disse que “os jóvens (…) passaram pela barbárie, pelo abandono por parte da lei e pelo esquecimento da parte da Justiça.”

Em janeiro de 2015, a as autoridades disseram ter chegado à conclusão de que os 43 estudantes tinham sido mortos por um grupo de delinquentes que atuava em conjunto com as polícias locais de Iguala e Cocula, chamado Guerreros Unidos.*

O desaparecimento e o provável massacre, há dois anos, dos 43 estudantes da Escola Normal Rural de Ayotzinapa, no estado de Guerrero, mancharam a imagem internacional do México e do presidente Enrique Peña Nieto.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte