Última hora

Última hora

Ucrânia assinala 75 anos da carnificina de Babi Yar

A Ucrânia assinalou esta quinta feira os 75 anos do massacre de Babi Yar, uma ravina em Kiev onde mais de 33 mil judeus foram mortos pela Alemanha nazi em apenas dois dias, a 29 e 30 de setembro de…

Em leitura:

Ucrânia assinala 75 anos da carnificina de Babi Yar

Tamanho do texto Aa Aa

A Ucrânia assinalou esta quinta feira os 75 anos do massacre de Babi Yar, uma ravina em Kiev onde mais de 33 mil judeus foram mortos pela Alemanha nazi em apenas dois dias, a 29 e 30 de setembro de 1941.

As cerimónias, que relembram uma das mais atrozes carnificinas da II grande guerra, acontecem numa altura em que a Ucrânia ganha distância face ao passado soviético e repensa o papel complexo e controverso dos nacionalistas ucranianos durante este período.

Petro Poroshenko, presidente da Ucrânia, declarou numa cerimónia onde estiveram presentes várias figuras internacionais: “A tragédia de Babi Yar é um despertar para toda a humanidade. qualquer regime, que esmaga direitos humanos e liberdades, personifica uma ameaça à própria humanidade.”

A 19 de setembro de 1941, a capital ucraniana foi ocupada pelas tropas nazis, que publicaram anúncios em ucraniano nos jornais onde ordenavam a todos os judeus a apresentação pelas 8 horas da manhã de 29 de setembro num cruzamento de Kiev, com papéis de identidade, dinheiro e roupas quentes. Percebido como um anúncio de deportação, lia-se que quem desobedecesse seria fuzilado. A obediência fuzilou mais de 30 mil em apenas dois dias.

Durante a ocupação de Kiev, os nazis faziam execuções massivas em Babi Yar em cada terça e sexta feiras.

Apenas na Ucrânia, durante a II Guerra Mundial (1939-1945) foram mortos aproximadamente um milhão e meio de judeus.