Última hora

Em leitura:

Moscovo critica NATO pela recusa de abrir portos à flotilha de guerra russa


Rússia

Moscovo critica NATO pela recusa de abrir portos à flotilha de guerra russa

Moscovo pede que o Ocidente decida se quer combater os terroristas ou a Rússia. Num discurso diante das altas patentes do exército, o ministro russo da Defesa, Sergei Shoigu, criticou o facto de vários países europeus terem recusado que os navios russos fizessem escala nos seus portos para reabastecimento.

“É assim que os nossos parceiros entendem a sua contribuição para o combate contra os terrorismo internacional. É tempo de os nossos parceiros ocidentais definirem contra quem combatem: os terroristas, ou a Rússia. Talvez tenham esquecido quem matou pessoas inocentes em atentados terroristas na Bélgica, França, Egito, Iraque e outros países?”, disse Shoigu.

No início da semana passada, uma flotilha de oito navios e submarinos de guerra russos, que integrava o porta-aviões Almirante Kuznetsov, atravessou águas de jurisdição portuguesa, a caminho da Síria.

A frota de guerra russa atravessou o Canal da Mancha sob vigilância da Marinha Britânica, depois de ter sido acompanhada por meios aéreos e navais noruegueses e holandeses.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros espanhol reviu a autorização concedida à flotilha russa para que atracasse no enclave espanhol de Ceuta, depois de o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, ter avisado que os navios russos vão ser usados para atacar civis no noroeste da Síria, onde Moscovo tem apoiado a campanha de bombardeamentos do regime de Bashar al-Assad.

O chefe do serviço de informações britânico MI5, Andrew Parker, afirmou na segunda-feira que a Federação Russa está a usar novas tecnologias contra o Ocidente de forma crescentemente agressiva.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Malmo: Papa apela à generosidade para com os que sofrem