This content is not available in your region

Presidenciais dos EUA: Trump usa FBI para reforçar a alegada manipulação das eleições

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com REUTERS
Presidenciais dos EUA: Trump usa FBI para reforçar a alegada manipulação das eleições

<p>A absolvição de Hillary Clinton pelo <span class="caps">FBI</span>, no caso dos “emails” da antiga secretária do Estado, foi utilizada este domingo por Donald Trump como mais uma prova de que o sistema eleitoral dos Estados Unidos é fraudulento e manipulado.</p> <p>O candidato republicano à Casa Branca abriu o penúltimo dia de campanha no Iowa e à passagem pelo Michigan, um Estado tradicionalmente favorável aos democratas, referiu-se à decisão do <span class="caps">FBI</span> de não avançar para a incriminação da rival democrata.</p> <p>“Neste momento, ela está a ser protegida por um sistema fraudulento. É um sistema completamente manipulado. Já o digo há muito tempo. Não é possível verificar-se 650 mil novos ‘emails’ em apenas oito dias. Não é possível”, considerou Trump, perspetivando que a investigação vai continuar, convicto de que “Hillary Clinton é culpada”. “Ela sabe-o. O <span class="caps">FBI</span> sabe-o. O povo sabe-o. E agora cabe aos americanos fazer justiça nas urnas a oito de novembro”, apelou.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Thank you Michigan! This is a <span class="caps">MOVEMENT</span> that will never be seen again- it's our last chance to <a href="https://twitter.com/hashtag/DrainTheSwamp?src=hash">#DrainTheSwamp</a>! Watch: <a href="https://t.co/jggCr7AZGm">https://t.co/jggCr7AZGm</a> <a href="https://t.co/Fd11eK876G">pic.twitter.com/Fd11eK876G</a></p>— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) <a href="https://twitter.com/realDonaldTrump/status/795443728282505216">7 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O candidato voltou ainda a criticar a comunidade islâmica nos Estados Unidos, em particular a oriunda da Somália e estabelecida no Michigan, ao abrigo do programa de acolhimento refugiados </p> <h3>Hillary Clinton afasta-se do lado obscuro</h3> <p>Neste penúltimo dia de campanha, a candidata democrata prosseguiu a sua campanha ao lado de grandes estrelas mediáticas. Desta feita, contou com o apoio do basquetebolista LeBron James, em Cleveland.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">.<a href="https://twitter.com/HillaryClinton"><code>HillaryClinton</a> with <a href="https://twitter.com/KingJames"></code>KingJames</a> in Cleveland Ohio. <a href="https://twitter.com/hashtag/voting?src=hash">#voting</a> <a href="https://t.co/QYkNfmYcOh">pic.twitter.com/QYkNfmYcOh</a></p>— Doug Mills (@dougmillsnyt) <a href="https://twitter.com/dougmillsnyt/status/795381721655050241">6 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Hillary Clinton voltou a apelar ao voto e com avisos contra Donald Trump. “Já sabemos o suficiente sobre o que ele diz e o que ele fez. Não é preciso voltar a relembrar todas as pessoas que ele já insultou e humilhou. O pior de tudo é a visão dele de que a América é obscura e desunida. Essa não é a América que eu vejo quando viajo pelo nosso país e eu quero que tenhamos uma visão de esperança”, afirmou a candidata a primeira mulher a liderar a maior potência mundial.</p> <p>Nas sondagens, Hillary Clinton voltou a registar uma melhoria este domingo, subindo acima dos dois pontos de vantagem sobre Donald Trump na média de consultas <a href="http://www.realclearpolitics.com/epolls/latest_polls/">compiladas pelo site Real Clear Politics</a> em véspera do último dia de campanha.</p> <p><img src="https://static.euronews.com/articles/34/88/348890/640x126_bonus-RealClearPolitics06nov2016.jpg" alt="" /></p> <p><a href="https://hillaryspeeches.com/scheduled-events/">Hillary tem os derradeiros discursos de campanha marcados</a> para Oaklnad, na Pensilvânia, Allendale, no Michigan, e Filadélfia, de novo na Pensilvânia e aqui na companhia da família, o marido Bill Clinton e a filha Chelsea, e do casal Obama, Barack e Michelle.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr"><span class="caps">UPDATED</span>: Our <a href="https://twitter.com/hashtag/StrongerTogether?src=hash">#StrongerTogether</a> Rally on Monday, Nov 7 will be held at Independence Hall. Doors open at 4pm. <span class="caps">RSVP</span>: <a href="https://t.co/eRp10iLbYO">https://t.co/eRp10iLbYO</a> <a href="https://t.co/j0pE9LGOs5">pic.twitter.com/j0pE9LGOs5</a></p>— Hillary for PA (@HillaryforPA) <a href="https://twitter.com/HillaryforPA/status/795063049820446720">6 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p><a href="https://www.donaldjtrump.com/schedule">Donald Trump abre este derradeiro dia de campanha</a> em Sarasota, na Florida. Depois do almoço segue para Realeigh, na Carolina do Norte; ao final da tarde discursa em Scranton, na Pensilvânia; e à noite, na companhia do candidato a vice-presidente Mike Pence, o candidato republicano começa por falar em Manchester, no New Hampshire, e culmina em Grand Rapids, no Michigan.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr"><span class="caps">MONDAY</span> – 11/7/2016<br /> <br /> Scranton, Pennsylvania at 5:30pm.<a href="https://t.co/BcErCtsPdF">https://t.co/BcErCtsPdF</a><br /> <br /> Grand Rapids, Michigan at 11pm.<a href="https://t.co/7g5sJjn2oZ">https://t.co/7g5sJjn2oZ</a> <a href="https://t.co/AWHDdPfjux">pic.twitter.com/AWHDdPfjux</a></p>— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) <a href="https://twitter.com/realDonaldTrump/status/795402627701964800">6 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <ul> <li><a href="http://pt.euronews.com/2016/11/02/guia-rapido-para-sobreviver-a-noite-das-eleices-norte-americanas">Guia rápido para sobreviver, e entender, a noite das eleições nos Estados Unidos</a></li> </ul>