This content is not available in your region

Grécia: Aniversário violento nas ruas de Atenas

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Grécia: Aniversário violento nas ruas de Atenas

<p>Uma manifestação para relembrar a morte de um miúdo de 15 anos em 2008 culminou em violência nas ruas de Atenas.</p> <p>Pedras, Cocktails Molotov e fogo-de-artifício foram arremessados à polícia que, já em alerta, mobilizou 3 mil agentes para controlar o protesto considerado de alto risco.</p> <p>As autoridades recorreram a gás lacrimogéneo.</p> <p>Pelo menos 34 pessoas foram detidas e um polícia ficou ferido.</p> <p>Os confrontos desenrolaram-se perto da universidade politécnica.</p> <p>Todos os anos, o 6 de dezembro é relembrado por estudantes e ativistas de esquerda.</p> <p>Nesse mesmo dia, em 2008, o adolescente Alexandros Grigoropoulos teve morte instantânea ao ser baleado no peito por um polícia.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/6Dgr?src=hash">#6Dgr</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Alexis?src=hash">#Alexis</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Grigoropoulos?src=hash">#Grigoropoulos</a><br /> Never Forgive! Never Forget! <a href="https://twitter.com/hashtag/%CE%B5%CE%BE%CE%B1%CF%81%CF%87%CE%B5%CE%B9%CE%B1?src=hash">#εξαρχεια</a> <a href="https://t.co/MmstvGWdVX">pic.twitter.com/MmstvGWdVX</a></p>— Kara Laikçi Benim! (@fcksystm) <a href="https://twitter.com/fcksystm/status/806243796346372097">December 6, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O agente que carregou no gatilho, Epaminondas Korkoneas, foi condenado a perpétua mas mesmo assim a cólera não foi apaziguada, já que os protestos repetem-se todos os anos.</p> <p>Μichalis Arampatzoglou, o correspondente da Euronews, afirma que <br /> “Exarcheia, o distrito onde Alexandros Grigoropoulos foi assassinado tornou-se mais uma vez num campo de batalha. As forças de segurança proibiram o acesso dos manifestantes à Universidade Politécnica e os protestos desenrolaram-se nas ruas próximas.”</p>