Última hora

Em leitura:

Radar... as histórias que não fizeram manchetes


Mundo

Radar... as histórias que não fizeram manchetes

Histórias sérias, como a da Dinamarca que está a braços com um problema grave de cancro da pele; ligeiras, como a sinalética que uma cidade japonesa criou para melhorar a comunicação entre comerciantes e turistas; ou impressionantes como a de um barbeiro que “brinca” com o fogo em Gaza, esta semana em Radar.

Dinamarca a braços com cancro da pele pede ajuda a alguns países do sul da Europa

A Danish Cancer Society, Fundação de Luta contra o Cancro, dinamarquesa, faz um apelo, pouco usual, na luta contra o cancro da pele – que segundo um vídeo publicado do sítio da internet da organização mata um dinamarquês por dia – pede ajuda aos países onde os dinamarqueses passam as suas férias, à procura do Sol, para os ajudarem a reduzir os riscos de se verem a braços com esta doença.

Os vídeos, “narrados” em espanhol, francês, grego, italiano e tailandês, por um jornalista famoso do país, dão conta da alarmante situação do país, que tem mais casos de melanomas que qualquer um dos países que são destinos de férias dos dinamarqueses.

O jornalista explica que os dinamarqueses amam o Sol, que não é uma realidade frequentes no país, como no sul da Europa, e quando se deparam com alguns raios de Sol esquecem-se das precauções. E pede ajuda aos residentes destes “paraísos” turísticos para os lembrarem, já que muitos dinamarqueses nem sequer sabem que o Sol não aquece da mesma forma em todos os países.

França



Espanha



Itália



Grécia



Tailândia




Heinz quer feriado no dia a seguir à Super Bowl

Dizem as estatísticas que, nos Estados Unidos da América, mais de 16 milhões de pessoas ligam para o emprego ou simplesmente não aparecem para trabalhar no dia a seguir à Super Bowl, a final do campeonato de futebol americano, o maior evento desportivo do ano, no país. E os que vão trabalhar não são tão produtivos como deveriam o que significa que o país perde, em média, cerca de mil milhões de dólares.

Quem o diz é a Heinz, a famosa marca de ketchup norte-americana, que decidiu lançar uma petição para que a segunda-feira a seguir à Super Bowl seja feriado.

Na terça-feira a petição tinha sido já assinada por mais de 70 mil pessoas. A marca diz que quando atingir as 100 mil envia o documento para o Congresso.




Funcionários públicos chineses punidos por “falta de motivação”

Seis funcionários do governo da província de Hubei, no centro da China, foram punidos por dormirem numa reunião sobre como motivar os burocratas preguiçosos. A informação é avançada pelos meios de comunicação estatais, talvez como forma de dissuadir outros “prevaricadores”. As fotos dos funcionários a dormir, correm os média chineses como se de um escândalo de Estado se tratasse.


​Barbeiro “brinca” com o fogo em Gaza

Este é daqueles vídeos onde é preciso começar por dizer: “Não tente isto em casa!”

Numa barbearia, em Gaza, e porque não há eletricidade, não na barbearia mas em Gaza, em geral, o “artista” da casa encontrou uma nova forma de secar o cabelo, perigosa, no mínimo, mas que, segundo ele, nunca acabou em acidente.

Os clientes fazem fila, curiosos por passar pela experiência. Poderia explicar do que se trata mas só vendo as imagens se compreende a dimensão destes cortes de cabelo, chamemos-lhes, radicais.


Limões e galinhas para os agricultores do Uzbequistão

O governo do Uzbequistão planeia oferecer quase dois milhões de casas, com galinhas e limoeiros incluídos, para que os agricultores possam alimentar-se e vender os seus produtos. O documento preliminar sobre a matéria deverá agora ser alvo de debate público.

O executivo pretende ainda criar empresas especializadas que fornecerão, às famílias, as aves e as sementes e, depois comprarão os ovos e limões para exportá-los.

As exportações de fruta e legumes, do Uzbequistão,representam milhões de dólares por ano e estão a crescer graças à forte procura russa. O país beneficia da proibição de Moscovo importar produtos do Ocidente.


A desenhar é que a gente se entende



Em Morioka, no norte do Japão, e preocupada com a barreira linguística, a autarquia local decidiu criar desenhos para explicar conceitos básicos quando se trata de no acesso às piscinas ou de comida: “porco dentro”, “pouco picante”, “muito picante”, “súper picante”, etc.. Uma forma de tentar ajudar os comerciantes locais a comunicarem com os turistas que visitam a região.

A “sinalética”, muito à japonesa, está disponível para que os comerciantes possam descarregá-la através da internet.


Fontes

- Dinamarca a braços com cancro da pele pede ajuda a alguns países do sul da Europa

- Heinz quer feriado no dia a seguir à Super Bowl

- “Funcionários públicos chineses punidos por “falta de motivação”“:http://www.reuters.com/article/us-china-corruption-dozing-idUSKBN15P09O?il=0

- “Barbeiro “brinca” com o fogo em Gaza”:http://www.reuters.com/article/us-palestinians-gaza-hairdresser-idUSKBN15O1LF

- Limões e galinhas para os agricultores do Uzbequistão

- A desenhar é que a gente se entende