This content is not available in your region

Quatro mortos em dia de manifestações em Caracas e Carabobo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Quatro mortos em dia de manifestações em Caracas e Carabobo

<p><strong>Com Lusa e Efe</strong></p> <p>Um jovem de <strong>17 anos</strong> morreu e pelo menos <strong>180</strong> pessoas ficaram feridas – incluídos seis deputados – em dois municípios de Caracas, após <strong>confrontos</strong> com as forças de segurança, durante protestos contra uma futura <strong>Assembleia Constituinte</strong> decidida pelo Presidente <strong>Nicolás Maduro</strong>.</p> <p>O menor morreu depois de ser atingido por um <strong>tiro</strong> de bala de borracha na nuca. <br /> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="es" dir="ltr">Más de 180 heridos, incluyendo 6 diputados, en una protesta opositora en Caracas<a href="https://t.co/HSLiy8kWd3">https://t.co/HSLiy8kWd3</a></p>— <span class="caps">EFE</span> Noticias (@EFEnoticias) <a href="https://twitter.com/EFEnoticias/status/859887505134505985">3 de maio de 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <br /> Pelo menos <strong>três pessoas</strong> <strong>morreram</strong> também em confrontos com as autoridades no estado de <strong>Carabobo</strong>, no centro da Venezuela.</p> <p>Em Caracas, os confrontos surgiram depois de as forças de segurança reprimirem <strong>milhares de opositores</strong> que pretendiam marchar até ao <strong>parlamento venezuelano</strong>, onde a oposição é maioria.</p> <p>A presidente da <strong>Federação de Centros Universitários da Universidade Central da Venezuela</strong>, Rafaela Requesens, disse à agência Lusa que, em Altamira, município de Chacao, um blindado da <strong>Guarda Nacional Bolivariana</strong> (polícia militar) atacou um <strong>grupo de manifestantes</strong> e <strong>atropelou</strong> um deles.</p> <p>O <strong>Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa</strong> (<span class="caps">CNTP</span>) diz que pelo menos <strong>um jornalista</strong> e <strong>um fotógrafo</strong> ficaram feridos nos confrontos entre autoridades e manifestantes.</p> <p>As <strong>manifestações</strong> contra e a favor do Presidente Nicolás Maduro subiram de tom no início de <strong>abril</strong>.</p> <p>As autoridades venezuelanas falam em <strong>32</strong> mortos e mais de <strong>600</strong> feridos até ao momento.</p> <p>A oposição reclama a <strong>libertação</strong> dos presos políticos, a <strong>convocação</strong> de <strong>eleições gerais</strong> e o fim da repressão.</p> <p>Manifestam-se também contra duas sentenças do Supremo <strong>Tribunal de Justiça</strong> (<span class="caps">STJ</span>), que limitam a <strong>imunidade</strong> parlamentar e em que aquele organismo <strong>assume as funções do parlamento</strong>. <br /> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="es" dir="ltr">Maduro lleva al Poder Electoral el decreto de convocatoria de la Asamblea Constituyente en Venezuela <a href="https://t.co/OW22swuoy0">https://t.co/OW22swuoy0</a></p>— <span class="caps">EFE</span> Noticias (@EFEnoticias) <a href="https://twitter.com/EFEnoticias/status/859822501295271937">3 de maio de 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <br /> <strong>Contra Assembleia Constituinte</strong></p> <p>Esta quarta-feira, milhares saíram às ruas, contra a convocatória a uma <strong>Assembleia Constituinte</strong>, levada a cabo <strong>segunda-feira</strong> por <strong>Nicolás Maduro</strong>.</p> <p>Segundo a aliança opositora <strong>Mesa de Unidade Democrática</strong> (<span class="caps">MUD</span>) a Assembleia Convocatória “é uma fraude, é inconstitucional e implica o fim da democracia”.</p> <p>O <strong>presidente Maduro</strong> convocou os venezuelanos para elegerem uma <strong>Assembleia Nacional Constituinte</strong> cidadã, para, justificou, “preservar a paz e a estabilidade da República” e incluir um “novo sistema económico, segurança, diplomacia e identidade cultural.”</p> <p>Maduro insiste em que parte das suas “atribuições constitucionais” está a <strong>reforma do Estado</strong> venezuelano e a possível modificação da <strong>ordem jurídica</strong>, permitindo a convocatória redigir uma <strong>nova Constituição</strong>. <br /> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="es" dir="ltr">SaludChacao recibió a 97 heridos tras protestas de este miércoles <a href="https://t.co/XUpITlPu5n">https://t.co/XUpITlPu5n</a> <a href="https://t.co/Dk3jHzZIUL">pic.twitter.com/Dk3jHzZIUL</a></p>— Unión Radio (@Unionradionet) <a href="https://twitter.com/Unionradionet/status/859905914085588993">3 de maio de 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p>