Última hora

A lei laboral de Emmanuel Macron

Contestada pelos sindicatos e pela esquerda, a nova legislação deve entrar em vigor nas próximas semanas.

Em leitura:

A lei laboral de Emmanuel Macron

Tamanho do texto Aa Aa

Reformar a lei laboral.

É esta a primeira grande empreitada de Emmanuel Macron, na presidência de França desde maio.

Contestada pelos sindicatos e pela esquerda, a nova legislação deve entrar em vigor nas próximas semanas.

Macron pretende ver a nova lei aprovada mediante decretos para evitar um longo processo de debate legislativo.


O Parlamento será consultado no fim do processo.

Entre os principais pontos de discórdia está a limitação das indemnizações que os trabalhadores podem receber em caso de despedimento abusivo, uma medida reclamada pelos patrões há anos; os grupos económicos internacionais poderão despedir ou encerrar unidades em França, justificando-se apenas com dificuldades no mercado nacional, mesmo apresentando lucros a nível global.

Existem, ainda, várias formas de acordos para aumentar o tempo de trabalho, baixar os salários ou permitir a mobilidade dos trabalhadores, em nome do aumento da competitividade

Emmanuel Macron está resoluto. Na semana passada, perante a ameaça de protesto feita pelos sindicatos, o presidente francês afirmou que não cede “aos preguiçosos, nem aos cínicos, nem aos radicais”.

As declarações do presidente foram recebidas com espanto. Os sindicatos prometem lutar contra a nova reforma laboral, assim como fizeram com a lei El Khomri, do Executivo de François Hollande, em 2016.