Última hora

Última hora

Nardi, vencedora do World Press Cartoon, lamenta encerramento de jornais

Em leitura:

Nardi, vencedora do World Press Cartoon, lamenta encerramento de jornais

Tamanho do texto Aa Aa

A colheita de 2018 do World Press Cartoon foi rica em novidades. A começar pelo facto de, pela primeira vez em 13 anos de certame, ser uma mulher a ganhar o Grande Prémio do salão internacional: Nardi.

Foi com lágrimas nos olhos que a cartoonista italiana subiu ao palco para receber o troféu e foi com a voz embargada que disse, em português, "Muito obrigada”.

O cartoon sobre a liberdade de expressão, que concorreu na categoria de Desenho Editorial, encantou o júri, como explica o diretor do salão, o cartoonista António Antunes:

"Nós sempre tivemos mulheres no júri, as mulheres sempre participaram... [Esta escolha] Teve a ver com a grande qualidade da cartoonista vencedora. É só!"

World Press Cartoon 2018

Cartoons online são bem-vindos

Este ano foi igualmente marcado pela abertura do World Press Cartoon aos desenhos publicados online. Um meio de comunicação incontornável mas nem sempre suficiente, sobretudo quando se trata de ganhar dinheiro, como lamenta Nardi, a vencedora do Grande Prémio:

"Há muitos jornais que desapareceram, literalmente; publicações que fecharam. Outras, reduziram o espaço dedicado ao cartoon, à conceção editorial. Não é um problema de censuram é pior: é um problema cultural. A tradição da caricatura, do desenho editorial está a perder-se. A internet é fantástica porque se pode trabalhar com todo o mundo. O problema é que a publicação de desenhos na internet nem sempre é paga."

Trump "monopoliza" exposição

A exposição deste ano é dominada por Donald Trump, e, em parte também por Kim Jong-Un ou Vladimir Putin. A tendência Trump já vem do ano passado, o que não admira António Antunes:

"O Trump também está a monopolizar a vida política mundial portanto, tem a ver. Trump, quer pela positiva, quer pela negativa, quer pelo que diz, quer pelo que está em vias de fazer, quer pela botada que fez na véspera, todos os dias é notícia."

Não é pois de estranhar que o prémio de caricatura tenha recaído num desenho de Trump, assinado por O-Sekoer.

Muito satisfeito com o prémio, o cartoonista belga destaca a sorte que tem em poder exprimir-se livremente:

"Sinto-me bem quando posso fazer um desenho, quando posso fazer uma caricatura. Sinto que posso expressar-me, E a liberdade de expressão é muito importante para os cartoonistas, em todo o mundo."

Prémio de carreira para Augusto Cid

A terceira novidade deste ano foi a atribuição de um Prémio de Carreira ao cartoonista português Augusto Cid, pelos seus mais de 50 anos de desenhos. Fisicamente muito debilitado, o autor subiu ao palco, acompanhado da família, para agradecer a todos a distinção que lhe foi feita.

Quanto à categoria Desenho de Humor, o vencedor foi o Serbio Ub!, com um cartoon sem título.

Entre os cartoons que marcaram o ano passado, destaque também para o escândalo Wienstein, o sempre presente problema das mudanças climáticas, a guerra na Síria ou as aspirações independentistas da Catalunha.

O World Press Cartoon de 2018 são 281 cartoons expostos em 3 andares, do Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, para ver até 28 de Julho.

Mais sobre Cult