This content is not available in your region

Gás russo divide Europa

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com Agências
Central de energia de Lichterfelde, em Berlim, na Alemanha
Central de energia de Lichterfelde, em Berlim, na Alemanha   -   Direitos de autor  Michael Sohn/AP   -  

Europa parece empenhada em encontrar alternativas ao gás da Rússia. São cada vez mais os passos com vista a um corte da dependência energética de Moscovo. Decisões que passam por novos acordos, novos fornecedores e novas prospeções. Questões que levam tempo e por isso levam os governos a ponderar soluções extremas. Berlim pôs a filial alemâ da empresa russa Gazprom na dependência do Estado.

"Com esta ordem, de acordo com a Lei, o Ministério estabelece temporariamente a Agência Federal da Rede Energética como administradora fiduciária da Gazprom Germania. A ordem de administração fiduciária serve para proteger a segurança pública e manter a segurança do abastecimento. O passo é imperativo; a segurança do abastecimento é garantida de facto," declarou esta segunda-feira Robert Habeck, ministro alemão da Economia e da Ação Climática.

Garantir o abastecimento à população. É também o objetivo da Eslováquia onde 85% do gás que se consome vem da Rússia. O governo de Bratislava já faz as contas aos rublos.

Para Richard Sulík, ministro eslovaco da Economia, não é uma questão de solidariedade. "Se o nosso vizinho está a congelar, não devemos congelar também, isso não é solidariedade, isso é estúpido. Pagaremos em rublos, se a condição for pagar em rublos, pagaremos em rublos," diz.

Eslováquia e Moldávia dizem-se dispostos a pagar a fatura que Putin apresentar. Hungria e Sérvia anunciaram entretanto um refoço das compras de energia a Moscovo.

O lume está tudo menos brando na Europa, sem união à vista no corte da dependência energética da Rússia-.