EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Crise dos preços da energia divide Estados-membros

Crise dos preços da energia divide Estados-membros
Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/Copyright 2022 The Associated Press
Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/Copyright 2022 The Associated Press
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

27 continuam a não se entender sobre respostas ao problema. Assunto estará em cima da mesa no Conselho Europeu que arranca esta quinta-feira em Bruxelas

PUBLICIDADE

O aumento dos preços da energia e a possibilidade de intervenção dos 27 para proteger a economia e os europeus serão um dos temas fortes do Conselho Europeu de dois dias que arranca esta quinta-feira em Bruxelas.

Sem surpresas, há muitas ideias diferentes.

O presidente do Governo de Espanha fez um périplo por várias capitais europeias. Na bagagem levou propostas para a fixação de tetos máximos e para desacoplar a cotação do gás do custo da eletricidade.

Conseguiu convencer Itália, Grécia e Portugal mas também França, Bélgica e alguns países do leste.

"Atualmente, os preços no mercado não refletem a realidade. Por isso, temos de tomar medidas a nível europeu tanto do ponto de vista da oferta como do ponto de vista da formação de preços para proteger os nossos cidadãos e a nossa indústria", sublinhou o presidente do governo de Espanha, Pedro Sánchez.

Mas Estados-membros como a Alemanha ou os Países Baixos estão contra qualquer interferência no mercado energético.

A Comissão Europeia, por outro lado, quer garantir que os stocks de gás dos Estados-membros estejam cheios, a pelo menos a 90%, antes da próxima temporada de inverno para fazer frente a eventuais problemas de abastecimento.

Bruxelas não fecha a porta a outras ideias.

"Temos de encontrar as melhores soluções possíveis para resolver isto. O nosso objetivo é trabalhar nas melhores opções disponíveis para os chefes de Estado e de Governo, porque cada opção tem os seus prós e contras e, portanto, o que queremos é finalizar a nossa proposta de forma a estruturar a discussão dos líderes", referiu Maroš Šefčovič, vice-presidente da Comissão Europeia.

Bruxelas conta travar a fundo as importações de gás russo, com uma redução de dois terços até ao fim do ano antes de um abandono completo até 2027.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Península Ibérica com exceção energética

126 milhões de euros em apoio militar para a Ucrânia ainda este ano, promete Portugal

Antigo chefe dos serviços secretos holandeses deverá ser o novo primeiro-ministro dos Países Baixos