This content is not available in your region

Bolsonaro assinala privatização da Eletrobras

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com EFE
Bolsonaro lança privatização da Eletrobras na Bolsa de São Paulo
Bolsonaro lança privatização da Eletrobras na Bolsa de São Paulo   -   Direitos de autor  ALAN SANTOS/AFP or licensors   -  

O presidente brasileiro celebrou a privatização da Eletrobras, considerada a maior empresa de eletricidade da América Latina, que foi finalizada na semana passada. 

Jair Bolsonaro e a sua equipa da área da ecomonia reuniram-se na sede da Bolsa de Valores de São Paulo para um "toque de campainha" simbólico e assinalaram a privatização da empresa, fundada em 1962 e desde então nas mãos do Estado brasileiro.

O presidente não falou durante a cerimónia. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a "capitalização bem sucedida" da Eletrobras é "mais uma prova" da "confiança" do capital privado no futuro do Brasil.

Privatização contestada

Durante o evento, representantes de movimentos sociais e sindicatos juntaram-se na entrada da Bolsa em protesto contra a privatização da maior companhia de energia do Brasil.

A privatização da empresa foi realizada através de um modelo de capitalização que incluiu uma oferta de ações com a qual  foram angariados cerca de 6,855 mil milhões de dólares.

Com esta operação, a participação do Estado no capital votante da Eletrobras foi reduzida de 70% para cerca de 40%, embora o Estado brasileiro tenha retido uma "golden share", o que lhe confere poder de veto sobre as decisões estratégicas da empresa.

O processo de privatização da empresa, que durou cerca de seis anos, exigiu a aprovação do parlamento e do órgão de fiscalização estatal, o Tribunal de Contas da União (TCU), que no mês passado autorizou a operação.

A Eletrobras possui cerca de metade das linhas de transmissão do país, com um comprimento total de cerca de 70 mil quilómetros de linhas elétricas e uma capacidade de geração instalada de 50 mil megawatts.