This content is not available in your region

Orbán diz que Ucrânia não vencerá Rússia

Access to the comments Comentários
De  euronews  com EFE
Orbán discursou na cidade romena de Baile Tusnad
Orbán discursou na cidade romena de Baile Tusnad   -   Direitos de autor  AP

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, vaticinou este sábado que a Ucrânia não vai vencer a guerra contra a Rússia e que o país não terá paz antes de 2024, data das próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos da América.

Considerado o maior aliado do presidente russo Vladimir Putin na União Europeia, Viktor Orbán assegurou que Moscovo só negociará com Washington, algo que deu a entender não ser possível com o atual Presidente dos EUA, o democrata Joe Biden.

"A primeira possibilidade real de paz na Ucrânia será em 2024, quando se realizarão eleições presidenciais nos EUA", disse o líder ultraconservador, insinuando que os democratas sairão derrotados.

Orbán afirmou-se convencido que o exército russo não teria invadido a Ucrânia se o poder nos Estados Unidos e na Alemanha ainda estivesse nas mãos do ex-presidente Donald Trump e da ex-chanceler alemã Angela Merkel, respetivamente.

"Se, no momento crítico, Trump fosse o Presidente dos Estados Unidos e Angela Merkel a chanceler da Alemanha, agora não haveria guerra na Ucrânia", declarou.

O primeiro-ministro húngaro justificou esta ideia com a sua firme convicção de que ambos os ex-governantes teriam acedido a "certas exigências" do Kremlin.

No entanto, não é só em relação à Ucrânia que Orbán está pessimista. Para o ultranacionalista húngaro, a próxima década não será fácil.

"Há uma guerra, uma crise energética e uma inflação de guerra, e tudo isto desenha um ecrã perante os nossos olhos. Desenha um ecrã entre nós e o género e a migração. Na verdade, o futuro vira-se para estas questões. Esta é a grande batalha histórica que estamos a travar: demografia, migração e género. Isto é precisamente o que está em jogo na luta entre a esquerda e a direita", referiu o chefe do Executivo húngaro.

As previsões de Viktor Orbán ocorreram durante um comício organizado pela minoria húngara na cidade romena de Baile Tusnad.

O governante criticou os políticos da Europa Ocidental acusando-os de encorajar a migração ilegal e a miscigenação. Orbán defendeu que o futuro do Velho Continente passará pela Europa Central, inclusive pela Hungria pois, como afirmou, "Os húngaros não são uma raça mista nem querem sê-lo".