This content is not available in your region

Europa multiplica planos para aliviar os efeitos da crise energética

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Engie, grupo industrial energético francês
Engie, grupo industrial energético francês   -   Direitos de autor  Lewis Joly/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved   -  

Com o outono à porta, os governos europeus continuam a desvendar planos de poupança de energia. O governo da Lituânia tem um pacote de medidas que diz estar entre os maiores da União Europeia, em percentagem do PIB.

A primeira-ministra, Ingrida Simonyte, explica: "Estamos a falar de montantes que estarão próximos, ou acima, de mil milhões de euros. Isto está relacionado apenas com os preços dos recursos energéticos. As medidas de rendimento [apoio] também serão, evidentemente, previstas no orçamento".

Este montante equivale a que cerca de 2% do PIB lituano seja destinado em 2023 para compensação aos consumidores privados, a par de medidas para aumentar os rendimentos e ajudar as empresas.

O plano inclui a limitação dos custos com gás e eletricidade através de medidas de poupança de energia, tais como a fixação de limites de aquecimento para edifícios públicos a 19 graus e de ar condicionado a 27 graus, e trabalho à distância às sextas e segundas-feiras.

O governo vai também encorajar o investimento em energia verde.

Em França, à medida que os preços do gás e da eletricidade sobem, vão encerrando instalações desportivas, tais como piscinas e pistas de gelo.

De acordo com um gestor de piscinas, os custos energéticos subiram de 600 milhões de euros para mil e seiscentos milhões.

Os comboios poderão vir também a ser afetados. As autoridades ponderam diminuir o número de comboios em circulação para poupar energia e, por todo o país, os autarcas estão a identificar locais onde as luzes possam ser desligadas a partir da meia-noite, sem comprometer a segurança.

As medidas que vão sendo reveladas pelos diversos países  vão de encontro às solicitações da União Europeia qu considera a situação "crítica".