This content is not available in your region

Jair Bolsonaro mantém silêncio após desaire eleitoral

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AFP
Manchetes de jornais brasileiros no rescaldo das eleições
Manchetes de jornais brasileiros no rescaldo das eleições   -   Direitos de autor  Bruna Prado/Copyright 2022 The AP   -  

O Brasil e o mundo continuam, atentos, à espera de ouvir a assunção de derrota do ainda presidente Jair Bolsonaro. O primeiro chefe de Estado canarinho a falhar uma reeleição tem-se mantido "em silêncio". Nas redes sociais nasceu mesmo o hashtag "Cadê o Bolsonaro", todos se perguntam sobre o que aconteceu ao presidente.

Mas no seio do seu núcleo duro e dos seus principais apoiantes houve quem reconhecesse o desaire, por menos de dois por cento de votos, mas que corresponde a mais de dois milhões de eleitores a apostarem em Lula da Silva.

Já pelo mundo, as reações não se fizeram esperar. O Presidente da Argentina deslocou-se mesmo São Paulo, naquele que um momento histórico para a América Latina com a esquerda a liderar as suas cinco maiores economias. Enquanto a Noruega anunciava que voltará a apoiar financeiramente o país na luta contra a desflorestação da Amazónia no Brasil

Por seu lado o Presidente de Timor-Leste, o Nobel da Paz, José Ramos Horta, que está em visita de Estado a Portugal dizia mesmo que esta é uma oportunidade para se voltar à trajetória do último mandato de Lula.

Nas ruas das cidades brasileiras quem elegeu Lula fazia a festa com um sorriso nos lábios e esperança no futuro. Do outro lado, os apoiantes de Jair Bolsonaro saíram também para as ruas mas para bloquear estradas, por exemplo. A Polícia Rodoviária Federal dava conta de protestos em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Mato Grosso.

A vitória de Lula da Silva nos círculos europeus foi expressiva e muito se espera deste seu novo mandato marcado também por incógnitas entre elas a relação do líder do PT com o presidente russo, que já felicitou aquele a que chama de aliado, no momento em que continua a invasão da Ucrânia.