This content is not available in your region

Tesouro otomano em mosteiro do Monte Athos, no norte da Grécia

Vista aérea do Monte Athos, no norte da Grécia, onde se guardam documentos preciosos do período do domínio otomano
Vista aérea do Monte Athos, no norte da Grécia, onde se guardam documentos preciosos do período do domínio otomano   -   Direitos de autor  AP Photo/Thanassis Stavrakis   -  
De  Euronews

No Mosteiro de Pantokrator, uma fortificação medieval na comunidade monástica do Monte Athos, os investigadores estão, pela primeira vez, a tocar num tesouro desconhecido.

São milhares de manuscritos da era otomana que incluem os mais antigos da sua espécie no mundo.

O padre Theophilos, um monge que ajuda na pesquisa, resume, de forma simples, toda a dimensão do tesouro, enquanto tira, cuidadosamente, de grandes gavetas, escrituras ou decretos e decisões judiciais dos sultões, todos ornamentados.

"Existem aproximadamente 1.300 documentos bizantinos originais, que não existem em mais lado nenhum. Aqui temos os documentos otomanos mais antigos - de antes da queda de Constantinopla - guardados nos mosteiros do Monte Athos", diz.

O estudioso bizantino, Yiannis Niehoff-Panagiotidis, e o investigador Anastasios Nikopoulos da Universidade Livre de Berlim consideram que não é possível compreender a economia e a sociedade do Monte Athos sob o domínio otomano sem consultar estes documentos que regulamentavam as relações dos monges com as autoridades seculares.

"Os sultões mantiveram o Monte Athos como o último remanescente de Bizâncio, semi-independente e não lhe tocaram. Eles nem sequer mantiveram tropas aqui", explica Yiannis Niehoff-Panagiotidis.

Anastasios Nikopoulos, que para além de cientista também é jurista, acrescenta: "A pequena democracia dos monges conseguiu ganhar o respeito de todos os poderes conquistadores da região. Isto porque o Monte Athos foi visto como um berço da paz, da cultura....".

Os manuscritos contam uma história em desacordo com o entendimento tradicional na Grécia de depredações otomanas nas áreas recentemente conquistadas, através do confisco dos ricos bens imobiliários dos mosteiros do Monte Athos.

Em vez disso, os novos governantes tomaram a comunidade sob a sua asa, preservaram a sua autonomia e protegeram-na de interferências externas.

Segundo Nikopoulos uma das primeiras ações de Murad II, o governante otomano que conquistou Salónica - a cidade mais próxima do Monte Athos - foi a elaboração de um documento legal em 1430 protegendo a comunidade.

"Isto diz muito. O próprio sultão otomano assegurou que o sistema administrativo do Monte Athos fosse preservado e salvaguardado", afirma.

Mesmo antes disso, acrescentou Niehoff-Panagiotidis, um sultão emitiu um mandato estabelecendo uma punição rigorosa para os intrusos após um bando de soldados saqueadores empenhados em roubos menores de um dos mosteiros.

Outra revelação inesperada, disse Niehoff-Panagiotidis, foi que durante aproximadamente os dois primeiros séculos do domínio otomano não foi feito qualquer esforço para impor a lei islâmica no Monte Athos ou em partes próximas do norte da Grécia.

A comunidade foi inicialmente auto-governada através de um decreto do Imperador Bizantino Basílio II, em 883 DC.

Ao longo da sua história, as mulheres foram proibidas de entrar, uma proibição que ainda se mantém.

Esta regra é chamada "avaton" e os investigadores acreditam que diz respeito a todas as formas de perturbação que possam afetar o Monte Athos.