This content is not available in your region

Itália termina no topo da classificação nos Jogos Mediterrânicos de Oran

De  Cinzia Rizzi  & euronews
Itália termina no topo da classificação nos Jogos Mediterrânicos de Oran
Direitos de autor  euronews   -  

Doze dias de desporto, competição e celebração: a décima nona edição dos Jogos Mediterrânicos terminou em Oran, Argélia, a 6 de julho. Cerca de 3400 atletas de 26 países de três continentes (África, Ásia e Europa) competiram em 24 desportos: do atletismo à natação, passando pelo futebol, judo e ginástica, entre outros.

Itália no topo da classificação, a Turquia termina em segundo

Itália é a delegação que deixa Oran com o espólio mais recheado. Os atletas italianos conquistaram 159 medalhas: 48  de ouro, 50 de prata e 61 de bronze, terminando na liderança pela quinta edição consecutiva.

Itália arrecadou várias medalhas principalmente na natação: 34.

Um sucesso em equipa, mas também individual, como para o nadador Matteo Rivolta, campeão nos 100 metros mariposa - batendo um recorde na competição e nos 4x100 metros estilos e vencendo a prata nos 50 metros mariposa. "Estou feliz com o resultado, passei por um período bastante duro durante os últimos meses, por isso estou feliz com o resultado de hoje e bastante confiante para o meu próximo futuro", diz-nos o nadador.

A Turquia quase assumiu a liderança nas medalhas, conquistando apenas menos 3 medalhas de ouro do que a Itália - brilhando em particular na luta livre, no atletismo e na natação.

A Argélia bate recordes

Mas a proeza foi dos atletas que jogaram em casa, que por um único título (medalha de ouro) falharam o último degrau do pódio, conquistado pela França! A Argélia terminou com um número recorde de medalhas conquistadas na competição - 53, das quais 20 de ouro, 17 de prata e 16 de bronze - tendo tido um melhor desempenho do que há 21 anos na Tunísia.

Recolheram umas notáveis 5 medalhas de ouro tanto no boxe como no atletismo.

Um dos campeões é o jovem judoca de Oran, Messaoud Redouane Dris, que triunfou na categoria dos -73kg, encorajado pelo seu público. "Foi uma grande honra para mim", diz o campeão africano de 2022 e portador da bandeira argelina. "Recebi uma medalha de ouro, foi uma grande alegria". O público veio para me apoiar e encorajar. Até os meus pais estiveram presentes para a ocasião".

A responsabilidade do público

O público caloroso deu a força necessária para que atletas nacionais pudessem brilhar e participou fortemente no evento, enchendo as bancadas durante toda a competição.

Um público entusiasta, pronto a apoiar não só os seus compatriotas, mas todos os atletas. "Tudo é belo, a população de Oran tem um grande coração, não foi por acaso que dissemos: "Oran no coração". Somos bem-vindos...", diz-nos uma mulher de Argel.

"Quando dizemos Jogos Mediterrânicos, dizemos Oran", conta-nos uma rapariga nas bancadas. "Oran é generosidade, é o Mediterrâneo, é realmente uma bela atmosfera, uma bela solidariedade entre as pessoas. E um grande respeito pelos estrangeiros".

O que é certo é que estes Jogos enriqueceram a segunda cidade da Argélia: em infraestruturas desportivas, em experiência em eventos de grande escala, mas também em termos de prestígio na bacia do Mediterrâneo. Isto é certo, para o presidente da Comissão Organizadora de Oran 2022 (COJM), Mohamed Aziz Derouaz: "Acredito que o mundo inteiro e especialmente toda a Europa, e os países mediterrânicos, asiáticos e africanos poderiam desfrutar de "verdadeiros Jogos Olímpicos". Estes Jogos abrirão uma nova página para Oran, tanto em termos de desporto como de turismo".