Última hora
This content is not available in your region

Feira de tecnologia e inovação mostrou o futuro no Dubai

euronews_icons_loading
Feira de tecnologia e inovação mostrou o futuro no Dubai
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai
Tamanho do texto Aa Aa

Algumas das mais recentes inovações na bioengenharia, da manipulação genética ou da cibersegurança estiveram em destaque no GITEX 2020, a 40.ª edição da Exposição de Informação e Tecnologia do Golfo arábico.

A mostra decorreu no Dubai, foi uma das poucas feiras de tecnologia a abrir portas este ano e conta com mais de 1200 expositores oriundos de pelo menos 60 países.

Uma das empresas presentes foi a Engineered Arts, do Reino Unido, especializada em robótica e inteligência artificial. Apresentaram-se com um grupo de robôs humanoides, os "Mesmer".

O enviado especial da Euronews teve oportunidade de interagir com um destes humanoides desenhados para perceber a linguagem corporal e até o estado de espírito de uma pessoa.

"Jen", como se chama o robô que interagiu com James O'Hagan, revelou "fascinantes poderes de interação", como os definiu o nosso jornalista.

Presentes também neste GITEX 2020 estiveram alguns conhecidos especialistas em cibersegurança, no painel de oradores.

Um deles, Pablos Holman, já ajudou a construir naves espaciais, inventou uma máquina para desfazer furacões, desenvolve criptomoedas há mais de vinte anos e também falou com a Euronews.

O valor económico está nas empresas e nos computadores que elas possuem. Esse é o campo de batalha do futuro.

"Vivemos num mundo onde se trava uma guerra económica de larga escala através da cibersegurança. Através da internet.

"Não estou a tentar assustar-vos, apenas digo que esta é a realidade.

"Se não jogarem, perdem.
Pablo Holman
Informático e inventor

Outro dos oradores na edição deste ano do GITEX foi Brian Seely. O antigo fuzileiro transformado em "pirata" informático considerado herói pelas principais agências de segurança dos Estados Unidos, o FBI e a CIA, falou-nos do aumento das vigarices pela Internet depois de as pessoas terem sido obrigadas a passar mais tempo em casa e muitas a perder rendimentos.

"Os vigaristas têm vindo a melhorar e a ficar mais criativos. A engenharia social, o roubo de dados privados e a identificação de utilizadores para enganar tem aumentado muito. Os pedidos de resgate estão a agravar-se e é mais difícil proteger as empresas quando os empregados estão espalhados por todo o lado e todos a trabalhar em VPN (n.: redes privadas virtuais )", explicou-nos Brian Seely.

O antigo fuzileiro acrescentou haver "muito menos interação, comunicação e gestão central porque já ninguém está centralizado". "A fronteira das empresas já quase não existe”, alerta.

Telemedicina a crescer

A pandemia levou-nos a uma utilização e dependência das novas tecnologias sem precedentes.

A inovação nos cuidados de saúde, por exemplo, foi intensamente escrutinada neste GITEX, onde ficámos a conhecer melhor a telemedicina.

Shamim Nabuuma Kalilsa lidera o Chil AI Lab, uma empresa médica especializada em oncologia, e explicou-nos ter havido "um aumento de serviços de telemedicina porque antes as pessoas tinham de se deslocar aos hospitais, marcar consultas com os médicos e realiza-las em presença, mas com os confinamentos teve de se adotar esta tecnologia de consultas à distância".

"É uma mudança e as pessoas estão a adaptar-se", garantiu-nos Shamim Nabuuma Kalilsa.

Ficámos também a conhecer neste GITEX 2020 as propostas da Etisalat, uma empresa de telecomunicações dos Emirados Árabes Unidos com um departamento dedicado à monitorização da saúde à distância.

O estratega clínico Prateek Sardana mostrou-nos "uma solução de saúde interligada a casa" na forma de "uma plataforma de dados orquestrados que recolhe informação de diversos sensores existentes pela casa e os integra em algumas das soluções mais inovadoras como a telemedicina.”

Prateek deu-nos os exemplos de um glicosímetro, que "capta os valores de açucar no sangue e os transmite depois em tempo real para o painel da plataforma", e um oxímetro de pulso, que "mede a saturação de oxigénio no sangue e fornece dados muitos relevantes nestes tempos de Covid", salienta.

O estratega da Etisalat acrescenta que os dados recolhidos pelos sensores existentes na casa do paciente são depois "integrados no sistema de registo médico eletrónico de um hospital". "Se mostrar um alerta, por exemplo de um ritmo cardíaco irregular, o médico pode convocar esse paciente para uma consulta em presença ou até chamar uma ambulância", explicou Prateek Sardana.

Algumas das inovações que aqui descobrimos podem salvar vidas, mas há outras que não devem chegar às mãos erradas.

Pablo Holman diz que o mais preocupante "são as decisões humanas". "Cabe a cada um de nós decidir o que é importante. Temos de ser muito claros nos nossos princípios. O que é que nos preocupa? Que mundo queremos? Que tecnologias nos podem ajudar a cria-lo?”, lançou o informático, que também fez fama como "pirata" na rede global.