Última hora
This content is not available in your region

Dubai tem exposição permanente sobre o Holocausto

euronews_icons_loading
Dubai tem exposição permanente sobre o Holocausto
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai
De  Jane Witherspoon
Tamanho do texto Aa Aa

A exposição 'We Remember' no Museu do Cruzamento de Civilizações, no Dubai, é a primeira sobre o Holocausto no mundo árabe, segundo os organizadores.

Mostra testemunhos em primeira mão dos sobreviventes do Holocausto. Levi Duchman, rabino da comunidade judaica dos Emirados Árabes Unidos, explica a importância do evento: "Houve um tremendo crescimento da vida judaica aqui nos Emirados Árabes Unidos, judeus que se mudam para cá vindos de Israel, dos Estados Unidos, da Europa. Como a comunidade continua a crescer, é muito importante para nós construirmos as fundações da comunidade. É muito importante este museu ter feito a exposição memorial do Holocausto. É um lugar onde podemos trazer os nossos filhos. Podemos trazer escolas ou comunidades diferentes para ver a história do povo judeu sobre o que passaram na Europa".

Mais de seis milhões de judeus foram mortos pelos nazis entre 1941 e 1945. Esta exposição visa recordar o que aconteceu durante o Holocausto e sensibilizar as mais de 200 nacionalidades que vivem no Dubai.

A exposição inclui também uma secção inteiramente dedicada a árabes e muçulmanos que ajudaram a salvar judeus: "Este é um dos maiores crimes contra a humanidade… é importante para nós. Temos galerias sobre tolerância e sobre as três religiões monoteístas, as religiões do Médio Oriente. Por isso, vemos isto como uma parte que tem de ser incluída nesta exposição. Queremos mostrar esperança e mostrar outras pessoas, muçulmanos e pessoas da região que ajudaram a salvar pessoas", diz a diretora do museu, Yael Grafy.

"Claro que, se olharmos para a história da região, os judeus e os árabes viveram sempre muito próximos uns dos outros. Se olharmos para Marrocos, Tunísia, Líbia, Síria, Líbano, etc., encontramos comunidades judaicas fortes e completas", explica o rabino Duchman.

Os judeus e os árabes viveram sempre muito próximos uns dos outros.
Levi Duchman
Rabino

Uma imagem em tamanho real de um jovem, o "Rapaz do Gueto de Varsóvia" rodeado por armas da guerra é a peça central da galeria. Outros destaques incluem as histórias de Selahattin Ülkümen - o diplomata turco que salvou os judeus de Rodes da deportação, e do Dr. Mohammed Helmy - um médico egípcio que salvou vários judeus da perseguição nazi em Berlim.

Yael Grafy conta a história desta personalidade: "Estava a estudar em Berlim e lá permaneceu depois e durante a Segunda Guerra Mundial. Viu o que aconteceu com as pessoas que o rodeavam. Como muçulmano, porque o regime nazi não era só contra os judeus, decidiu salvar algumas famílias. E estas famílias, graças a ele, sobreviveram ao Holocausto".

"É muito emotivo, obviamente. Quando passeamos pela exposição, vemos as diferentes imagens e lemos as diferentes histórias que aqui são expostas. Isto dá-nos um certo empoderamento, pois quando estamos a construir raízes fortes para os nossos filhos, para as gerações futuras, aprendemos a importância de trabalhar em conjunto com todas as pessoas, a importância da tolerância, da coexistência e de construir comunidades coesas em todos os Emirados Árabes Unidos, em toda a região e em todo o mundo. Precisamos de ter estes valores", diz Duchman.

À medida que a região do Médio Oriente se abre e avança para a normalização das relações, o fundador do museu, Ahmed Obaid Almansoori, acredita que o timing desta exposição é adequado: "Ultimamente, tem havido incidentes ligados a um aumento do antissemitismo e do racismo no mundo. Por isso, penso que este é o momento certo para nós. E estando nos Emirados Árabes Unidos, temos um sistema, temos a cultura da união de solidariedade. As pessoas vêm para cá e não vêm pelo petróleo ou pelo dinheiro. Vêm porque se sentem em casa. As pessoas vêm de todo o mundo e nós vemos a beleza nas diferenças. Portanto, este é um lugar para onde as pessoas vêm, podemos aprender com a nossa experiência de união e exportar essa experiência", diz.

Como o nome sugere, o Museu do Cruzamento de Civilizações foi criado para se concentrar nos valores da abertura e do multiculturalismo nas comunidades globais. Espera-se que este último acrescento às coleções venha lançar uma luz sobre o que podemos aprender com um dos momentos mais sombrios da história.