This content is not available in your region

As virtudes do Biohacking

euronews_icons_loading
As virtudes do Biohacking
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai
Tamanho do texto Aa Aa

O Biohacking, parte integrante da chamada biologia do-it-yourself, ganha adeptos no Dubai.

O Biohacking é uma prática que procura fazer pequenas ou grandes mudanças que permitem melhorar a saúde e o bem-estar e que, no limite, pode integrar implantes e edição genética, gestos considerados pelos críticos como arriscados.

"O Biohacking é um termo novo que as pessoas começaram a usar para falar da melhoria do desempenho, a nível cognitivo, mental ou físico. Falamos de pessoas que desejam viver mais tempo e com mais saúde”, disse à euronews o médico Nasr al Jafari, especialista em medicina funcional.

"Há fundamentos sólidos em muitas destas intervenções. Mas, há sempre pessoas que fazem coisas sem qualquer base científica, por terem ouvido alguém falar sobre um determinado assunto na comunicação social. Mas isso não significa que não existam áreas em que seja possível melhorar a vida útil, prolongar a saúde e melhorar o desempenho", acrescentou o médico.

Euronews
O Biohacking ganha adeptos no DubaiEuronews

Quatros princípios básicos do Biohacking

O Biohacking integra conselhos conhecidos como comer bem, descansar, fazer exercício e evitar o stress.

"Diria que há quatro elementos principais do meu estilo de vida: nutrição, exercícios, controlo do stress e sono. Além disso, baseia-me em análises bastante detalhadas que provavelmente a maioria das pessoas não aplica a si próprias, adotei protocolos precisos de suplementação, quer suplementação oral, terapia intravenosa, algo que muitas pessoas estão a fazer agora, incluindo ter em conta a idade biológica", sublinhou Nasr al Jafari.

"O Biohacking, para mim, significa melhor desempenho e maior produtividade, principalmente durante os anos saudáveis, os anos ativos. Não sei o que acontecerá mais tarde, mas, pelo menos, há melhorias enquanto eu estiver ativo, saudável, capaz de trabalhar, de correr e de fazer exercício”, afirmou Asim Janjua, fundador da Mamo & Biohacker.

"O Biohacking está muito associado à suplementação, o que é bom. Mas na minha opinião, esse é o nível três do Biohacking. O primeiro nível para mim é ter um bom regime alimentar, saber o que se come e comer bem. O nível dois é adotar um bom regime ao nível da atividade física. Eu corro há anos. E acredito que isso nos responsabiliza, sem ter necessidade de passar pelo comprimido mágico ou pelo suplemento que se toma para obter benefícios e melhorias", sublinhou Asim Janjua.

Dos banhos de gelo, ao jejum intermitente e à monitorização da frequência cardíaca, há numerosas práticas de Biohacking cada vez mais populares.

"Usamos temperaturas baixas por razões terapêuticas o que traz numerosos benefícios para a saúde, principalmente a redução da inflamação, o aumento da mobilidade, ajuda a aumentar a produção de colagéneo e melhora o bem-estar em geral", afirmou Benny Parihar, cofundador e sócio-gerente da Cryo Health.

"Eu próprio faço uma mistura de crioterapia e foto-biomodulação de luz vermelha. Também aplico soro intravenoso para aumentar a absorção de vitaminas. Uso um aparelho que me permite saber o quanto estou a queimar e qual é o meu nível físico", acrescentou o responsável.