Última hora

Última hora

Como a arte do comércio moldou Bucara

Em leitura:

Como a arte do comércio moldou Bucara

Tamanho do texto Aa Aa

Ao longo da Rota da Seda circulavam tradições, religiões e, sobretudo, mercadorias. Bucara era um dos mais abastados centros de comércio. Entre os séculos 16 e 20, a cidade acolhia mais de 50 mercados e 75 hospedarias.

Bucara cresceu em torno do comércio. Hoje em dia, sobraram quatro grandes mercados, ou bazares, que nos recordam como é que a cidade se desenvolveu durante o período da Rota da Seda. Na verdade, tratava-se de uma plataforma gigantesca de trocas comerciais, onde o importante era facilitar a entrada e a saída das mercadorias. O arquiteto Klitshev Zoircho explica que “a cidade tinha 11 entradas que levavam até ao centro. Nos cruzamentos eram construídos entrepostos chamados Tok. As estradas entre eles estavam protegidas contra o sol para fomentar o comércio.”

As mercadorias eram vendidas em bancas cobertas por toldos que serpenteavam ao longo de um dos mais coloridos e cosmopolitas bazares do mundo islâmico. Cada mercado dedicava-se a um tipo de produto para facilitar a coleta de impostos. “O cruzamento principal era protegido por uma cúpula central. Depois havia cúpulas mais pequenas nas outras ruas. Eram construções monumentais que assinalavam os pontos de junção e os protegiam da passagem do tempo”, realça Zoircho.

O caravançarai é uma antiga hospedaria onde também se podiam armazenar mercadorias. Apenas uma dezena sobreviveu até aos dias de hoje. O de Ayoz, no centro de Bucara, acabou de ser restaurado. Ainda não abriu as portas ao público. Zoircho aponta que “nos caravançarais albergavam-se os hóspedes e faziam-se negócios. Havia grandes armazéns para guardar a mercadoria. Os bens eram vendidos pelos grossistas e depois comercializados a retalho nas ruas. Todos os caravançarais estavam rodeados por lojas.”

É possível encontrar de quase tudo nos bazares. Mas um dos produtos mais procurados é, sem dúvida, o tapete de Bucara – padrões geométricos inspirados nas tradições das tribos antigas, sempre em tons de vermelho. Porquê? “O tapete é vermelho porque, quando dominava a religião do zoroastrismo, as pessoas costumavam rezar ao fogo e ao sol. Quando se inclinavam sobre o tapete durante as orações, como não podiam ver mais nada, o vermelho permitia evocar o fogo”, afirma Sabina Burkhanova, proprietária de uma loja.

Cerca de vinte mulheres estão a aprender uma técnica de fabrico que é milenar. Um tapete pode levar de meses a anos a ser concluído, dependendo do tamanho, do número de nós por centímetro quadrado, e da complexidade dos desenhos. Segundo Sabina Burkhanova, “leva duas semanas para aprender como se faz um nó, porque é preciso mexer os dedos de oito maneiras diferentes.”