Última hora

Última hora

Diretor do Obervatório dos Direitos Humanos critica Putin e Ucrânia

O diretor executivo do Observatório Internacional dos Direitos Humanos (“Human Rights Watch”) mostrou-se desagrado com o que encontrou na Rússia

Em leitura:

Diretor do Obervatório dos Direitos Humanos critica Putin e Ucrânia

Tamanho do texto Aa Aa

O diretor executivo do Observatório Internacional dos Direitos Humanos (“Human Rights Watch”) mostrou-se desagrado com o que encontrou na Rússia. Quase dez anos depois da última visita à capital russa, Kenneth Roth voltou esta semana a Moscovo e encontrou escassos sinais de respeito pelos direitos humanos e pela liberdade de expressão.

O responsável da organização humanitária sediada em Nova Iorque lembrou que “desde o inicio da primeira década dos anos 2000, muitos na Rússia começaram a preocupar-se em aumentar a pressão sobre os críticos”. “Mas agora há um alarme total devido às regras autocráticas”, atirou, considerando que “a redução dos direitos tem sido mais pronunciada depois do regresso de Putin à presidência, em 2012.”

“Há quase uma década que não visitava Moscovo e é uma grande desilusão encontrar aqui a pior situação desde os tempos da União Soviética. A diminuição radical da discussão pública e da divulgação de opiniões divergentes representa os fundamentos de um regime autoritário e o irresponsável ‘aventurismo’ existentes hoje por trás dos graves problemas da Rússia”, afirmou Kenneth Roth.

A trágica situação vivida no leste da Ucrânia também não passou ao lado do diretor do Observatório nesta visita à Rússia, país sob pressão ocidental pelo alegado apoio aos separatistas ucranianos. Kenneth Roth começou por apontar o dedo às forças militares ucranianas pelo alegado recurso, por exemplo, a bombas de fragmentação e outras munições pesadas contra zonas residenciais controladas pelos rebeldes pró-russos.

O responsável sublinhou, contudo, que essa estratégia bélica das forças às ordens do Governo não dá razão aos separatistas pró-russos para deter, torturar ou executar civis em nome da guerra.