Última hora

Última hora

Nova Iorque grita "Je suis Charlie"

Em leitura:

Nova Iorque grita "Je suis Charlie"

Nova Iorque grita "Je suis Charlie"
Tamanho do texto Aa Aa

Ao som do slogan “Je suis Charlie” centenas de pessoas, maioritariamente francesas mas também nova-iorquinas, reuniram-se espontaneamente no Washington Square Park, em Nova Iorque.

“É um ataque contra a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão em geral. Não venho aqui exatamente para apoiar a França, mas para apoiar os seus valores. É importante fazê-lo, não só em França, mas em todos os países”, diz uma jovem francesa que vive em Nova Iorque.

Um conterrâneo que vive também na “Big Apple” acrescenta: “Podemos estabelecer um verdadeiro paralelo: é verdadeiramente o 11 de setembro francês.”

Muito comovida, uma nova-iorquina confessa: “Nunca participei numa manifestação em toda a minha vida. Mas depois de ver na televisão o que se passou nos últimos dias… tinha de vir!”

Da “Tour Eiffel”, em Paris, à “Freedom Tour”, em Nova Iorque: uma luta em defesa da liberdade na qual também participa o cartoonista Feggo, mexicano radicado há 30 anos nos Estados Unidos.

“Com os meus colegas, a nossa ação é responder com o nosso trabalho. Apoiamos o trabalho do Charlie Hebdo e fazemos cartoons para demonstrar esse apoio. Em todo o mundo. E vamos continuar a fazê-lo”, garante Feggo.

Em Nova Iorque, a jornalita da euronews Michela Monte remata: “Tal como após os ataques às Torres Gémeas, a questão que se coloca sobre o futuro está relacionada com a nova fase política que se inicia agora em França… e na Europa.”