Última hora

Última hora

Hong Kong: Plataforma giratória para negócios no sudeste asiático

Em leitura:

Hong Kong: Plataforma giratória para negócios no sudeste asiático

Tamanho do texto Aa Aa

Estamos na hiperactiva, na sempre dinâmica Hong Kong, cidade que, há décadas, atrai empresários europeus. Verdadeira plataforma giratória para entrar no sudeste da Ásia, a antiga colónia britânica ainda proporciona muitas e boas oportunidades de negócio.

As rotas do destino trouxeram-no a Hong Kong em 2007: o designer italiano Stefano Tordiglione compreendeu rapidamente as oportunidades que a cidade lhe oferecia e depressa se tornou numa das referências do design de interiores no delta do Rio das Pérolas.

A sua empresa emprega 5 pessoas e recorre também a ‘freelancers’, nomeadamente em Itália. Stefano tem clientes locais, mas também trabalha para a Europa, a Tailândia, o Vietname ou ainda as Filipinas. Para Stefano, Hong Kong é uma montanha russa, tanto a nível profissional, como pessoal:

“Hong Kong é como uma máquina de lavar, uma vez que estamos dentro, temos de jogar o jogo e mexermo-nos rapidamente. Mas ao mesmo tempo, dá-nos a possibilidade de relaxar, as infra-estruturas e os serviços são excelentes.”

O que mais impressionou Stefano foi a simplicidade, especialmente do ponto de vista administrativo. Mas, claro que não há bela sem senão e o designer conhece bem os problemas ligados à própria natureza do território:

“Hong Kong é uma cidade em permanente mudança, tanto ao nível económico como do ambiente, do espírito. O desafio é acompanhar as mudanças, adaptarmo-nos. Penso que, para isso, temos de ser coerentes e pacientes.”

Valor impressionante: 90% das empresas em Hong Kong são PME’s.

Saiba que, se quiser instalar o seu negócio aqui, há quem o possa ajudar.

A União Europeia tem aqui um centro dedicado às pequenas e médias empresas, um organismo que pretende facilitar o acesso ao mercado às PME europeias. Fornece conselhos práticos e personalizados, informações legais sobre a legislação local e também promove encontros com empresários já instalados.

Outra ferramenta: a PME IPR Helpdesk (SME IPR Help Desk, no original), uma plataforma que permite gerir os direitos de propriedade intelectual na China:

“A PME IPR Help Desk organiza mais de 90 eventos todos os anos na região para ajudar estas empresas a compreender o que é necessário. E o serviço é gratuito”, explica Andrius Bartuskevicius, vice-presidente da Câmara de Comércio da Lituânia em Hong Kong.

Servir-se de Hong Kong como plataforma giratória para a Ásia irá fazer ainda mais sentido muito em breve. Até ao final deste ano de 2015, será lançada a Comunidade Económica da ASEAN (AEC), um novo mercado único com cerca de 620 milhões de pessoas.

“À parte da China continental, o mercado ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático) é outro grande parceiro para Hong Kong. Na realidade é o segundo parceiro comercial de Hong Kong. Existem muitas oportunidades para os europeus virem para Hong Kong e utilizarem a cidade como plataforma giratória para expandir os negócios dentro do mercado ASEAN, conclui Bartuskevicius.