Última hora

Última hora

Kanazawa: Jóia do Japão

O desenvolvimento económico de Kanazawa remonta à época dos samurais. Como é que esta cidade soube capitalizar a sua arquitectura e o seu artesanato?

Em leitura:

Kanazawa: Jóia do Japão

Tamanho do texto Aa Aa

Nesta edição de Target, rumamos a Kanazawa, na costa Ocidental do Japão. Inscrita na rede de cidades criativas da UNESCO, nas áreas do artesanato e das artes tradicionais, a cidade apelidada de “pequena Quioto” está a afirmar-se como um dos destinos incontornáveis no país.

O desenvolvimento económico de Kanazawa remonta à época dos samurais. A arquitectura de excepção foi poupada nos bombardeamentos da Segunda Guerra Mundial. A culinária, mas em especial o seu artesanato são, ainda hoje em dia, as raízes do sucesso de Kanazawa.

O Kenroku-en, jardim de seis atributos, é um dos mais belos do Japão, é o traço mais visível dos quase três séculos de reinado do clã Maeda.

Os samurais, que dominaram a região entre o final do século XVI e meados do século XIX trouxeram a Kanazawa os mais respeitados artistas da época para consolidar a reputação crescente da cidade no domínio das artes.

Ainda hoje, Kanazawa é famosa pelas suas sedas, a cerâmica ou os lacados e tornou-se na referência no que diz respeito à produção de folhas de ouro, no Japão.

“Esta técnica e executada em Kanazawa há 430 anos. E é a mesma que utilizamos hoje em dia. Com esta técnica, a produção de uma folha de ouro demora, em média, duas semanas”, explica o artesão Ken-Ichi Matsumura.

O ouro é colocado entre duas folhas de um papel especial e depois martelado até ficar com uma espessura de 2 mícron. 100 folhas de ouro de Kanazawa pesam menos de dois gramas.

Essencialmente, as folhas servem para decorar templos, santuários, mas também muitos produtos do artesanato. Os turistas podem mesmo experimentar fazer as suas próprias decorações, nomeadamente em cerâmica.

No bairro histórico das geishas, os turistas podem arrendar uma das antigas casas. A Machiya é uma habitação tipicamente japonesa, com os tatamis, as portas de correr, em papel, e o espaço para a tradicional cerimónia do chá, uma experiência única.

Com a sua cúpula de vidro e o seu Torii, o portão tradicional, a estação de Kanazawa é uma das mais belas do Japão. O novo comboio de alta velocidade, o Shinkasen, liga Tóquio a Kanazawa em menos de 2 horas e meia, com velocidades que ultrapassam os 260 km/h. O tempo da viagem foi reduzido para praticamente metade.
A linha é constituída por túneis em 40% do trajecto. Como sempre no agitado Japão, a segurança foi uma prioridade:

“O sistema detecta as ondas P, as primeiras ondas de um sismo. Quando necessário, todos os comboios são imediatamente imobilizados em toda a segurança”, afirma um responsável da empresa de caminhos-de-ferro JR East.

O novo comboio de alta velocidade está a dar um novo impulso à actividade económica da região e a acelerar o seu desenvolvimento. Os bilhetes para a primeira ligação entre Tóquio e Kanazawa venderam-se em apenas 25 segundos.